segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Conversa com André Santos (Estaminé)


"Estamos no ano de 1911. O terror reina entre os habitantes da Aldeia do Talasnal." É assim que começamos por conhecer A Aldeia Adormece. Um jogo pensado e desenvolvido por André Santos do Estaminé. E se já viram algo semelhante a este jogo nas prateleiras das lojas ou até mesmo na vossa, não estão muito enganados. A Aldeia Adormece é uma homenagem nacional ao famoso jogo The Werewolves of Miller’s Hollow. Quando ouvimos falar desta versão nacional de um dos nossos jogos favoritos, decidimos que queríamos conhecer um pouco mais e quando percebemos que a aldeia onde tudo se inspira fica num concelho tão próximo do nosso, ficou claro a forma como deveríamos conhecer este jogo. As nossas questões eram muito simples e ninguém melhor para nos tirar todas as dúvidas que o próprio criador de A Aldeia Adormece.


O encontro ficou marcado na aldeia do Talasnal, algo que começou da melhor forma. Uma aldeia realmente magnífica, no completo interior da Serra da Lousã, rodeada de uma calma e silêncio que só num espaço destes se consegue encontrar. Depois de chegarmos ao local ficámos a conhecer o terraço, também conhecido como Eira, onde toda esta aventura de criação do jogo começou. Uma vista magnífica que se mostrava meio tímida por trás de uma névoa matinal, criando um ambiente perfeito para uma partida de A Aldeia Adormece. Não era realmente hora para jogar, mas foi ali que nos sentámos e ficámos durante um bom pedaço de tempo à conversa. Uma conversa informal, onde ficámos a conhecer tudo o que queríamos sobre esta homenagem.


Se havia uma pergunta que tínhamos na nossa cabeça logo à partida era o motivo de este trabalho existir. Foi aí que percebemos toda a paixão que estava relacionado a este jogo. André Santos é uma pessoa com o qual nos revimos de imediato, designer (como eu), com uma paixão por jogos de tabuleiro (como o dois geeks aqui do espaço) e com uma ideia muito concreta. Criar um jogo que homenageasse um dos jogos que ele mais jogou na aldeia do Talasnal, aquando dos seus encontros com um grupo de amigos, onde ao mesmo tempo dê-se a conhecer ao país esta aldeia magnífica.


É assim e já com alguns trabalhos no seu portfólio que inicia este projeto, com uma ideia de tiragem limitada logo à partida. Segundo o André, a ideia de ser limitado já não era novidade e cria um tipo de misticismo em torno do produto. Ficámos assim limitados a 500 exemplares, onde 400 são edições simples e os restantes 100 são edições de luxo. Todos numerados e sem uma segunda tiragem em mente fazem deste jogo uma oportunidade única.


A arte do jogo aliasse a todo este elemento único, contando com uma série de 23 ilustradores, onde cada um, sempre dentro do estilo base, criou uma carta. Apresenta-se assim um baralho com arte variada, mas sem nunca perder nexo. Linhas simples, aliadas a um trio de cores bem distintas, criam um design limpo e bem representado. No meio de todas as ilustrações tivemos algumas favoritas, que podem ver nas fotos deixadas aqui.


Voltando às edições apresentadas, hoje já podemos encontrar no site oficial do jogo, todo o conteúdo final apresentado. Aquando desta conversa, apenas tivemos acesso a uma versão demonstrativa, onde pudemos perceber a forma como as duas seriam apresentadas ao público. Enquanto a edição simples conta com uma simples caixa de cartão onde se apresentam as 37 cartas e uma insígnia em formato crachá, assim como um livro de regras. Já a edição de luxo podem contar com uma apresentação em caixa de madeira com o logotipo do jogo gravado a laser na tampa, assim como um interior todo revestido a veludo, contendo as 37 cartas e a insígnia, desta vez em formato medalha de bronze com revestimento de cobre, contendo ainda o livro de regras e um bloco de notas, este último que está disponível online para quem quiser imprimir, contém também um cartaz promocional. Duas edições bem trabalhadas, que ainda faltava limar algumas arestas, mas que no final das contas acabaram tal como imaginávamos.


Esta foi uma manhã muito bem passada onde além de ficarmos a conhecer mais de A Aldeia Adormece ficámos igualmente a conhecer um pouco mais do seu criador e também deste local magnifico que é a aldeia do Talasnal, inserida no conjunto de aldeias do xisto que tão bem representam a serra da Lousã. Se ficaram interessados em conhecer mais sobre este jogo podem passar no site oficial, na página do behance ou então diretamente na página de facebook. E foi assim que ficámos a conhecer este jogo e o nome por trás de todo o desenvolvimento.
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

  • 0Blogger
  • Facebook

Deixa o teu comentário

Enviar um comentário