Transformers 3


Depois de duas sequências a chegar ao cinema e a surpreender os mais incrédulos, principalmente pelo medo de como os clássicos Transformers ficariam no cinema live action, mas a coisa acabou por correr de forma positiva. Os fãs gostaram e o primeiro filme apesar de não ser excelente consegue transmitir de forma positiva o universo destes brinquedos para o realismo necessário. Já o segundo título acabou por ser pouco mais do mesmo. Não apresentou grandes novidades e já começou a chatear os fãs por ser cada mais notório que Shia LaBeauf estava ali só a fazer número. A sua participação no filme é completamente indiferente e acaba por fazer dos humanos meros assessórios terrestres que só servem para atrapalhar. Mas não ficaram por aqui.

Um terceiro capítulo é anunciado e o que os fãs temiam regressa. O protagonista está de regresso. O realizador tem problemas com Megan Fox e acaba a mandar a atriz para a rua, ficando assim toda a construção amorosa de Sam Witwicky completamente destruída. Assim foi necessário introduzir uma nova personagem feminina. E de uma forma que pareceu uma autêntica birra de "eu consigo melhor sem ti" entra a belíssima modelo Rosie Huntington-Whiteley, que fez aqui a sua primeira representação no cinema e teve por força de superar Megan Fox. Hoje já sabemos que a coisa não correu propriamente bem.

A história começa a partir de uma premissa até bem interessante. Algo se despenha no lado obscuro da Lua e durante as viagens americanas ao nosso satélite acabaram por descobrir os destroços da nave. O filme faz aqui uma ligação a eventos reais que de forma bem interessante usam os Transformers como meio para todas as viagens feitas à Lua. A partir daqui entra Sam e Carly ao barulho e a história vai passando entre estes dois e a nova força militar onde os aliens robôs lutam lado a lado com os humanos. Talvez a única coisa importante para o seguimento da série. Aliás posso já referir que este filme tinha ganho imenso ao ter-se focado apenas nos robôs, que têm aqui um papel até interessante e suficiente para levar a bom porto este filme, tornando ainda mais desnecessário a presença humana.

E os Transformers estão aqui muito bem trabalhados. Michael Bay é um realizador completamente técnico por isso não é de admirar que o filme tenha uma qualidade extremamente bem desenvolvida. Algo que sempre achei confuso na franquia era as lutas entre os Transformers. Sempre muito confusas e em alguns casos quase imperceptíveis. Neste filme isso parece ter sido resolvido, com os efeitos especiais aprimorados e o tom apresentado a ajudar imenso nesta melhor compreensão daquilo que se passa no ecrã. Sem dúvida um crescimento em relação aos anteriores, mostrando que a série está a evoluir no que toca aos aspectos técnicos.

Transformers 3 fica longe de superar qualquer filme da franquia, ficando mesmo como o pior até agora apresentado. Os protagonistas humanos são extremamente desinteressantes e não acrescentam rigorosamente nada a todo o enredo. Os Transformers por outro lado são o mais interessante do filme, com bons momentos e uma história que evolui o seu envolvimento com a humanidade e todo o planeta. Uma qualidade soberba que supera sem dúvida os anteriores, principalmente por melhorar o visionamento. Por um lado os vários problemas deste filme levaram a que a série evoluísse e seguisse um novo caminho que veio sem qualquer dúvida ajudar esta saga no cinema.
4.5
Transformers 3
Insuficiente
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

Sem comentários:

Enviar um comentário