Rosa Selvagem de Patricia Cabot


Eu sou muito picuinhas sobre a personagem feminina de um livro. Tenho aquele ideal: gosto de mulheres decididas, fortes, corajosas e que não tenham medo de enfrentar um homem nem de dizer uns belos de uns palavrões! Pois é minha gente, apresente-vos Pegeen MacDougal, uma das personagens femininas que mais me agradou num livro!

As duas primeiras coisas que fizeram com que este livro se realçasse para mim foi a sinopse e a capa, ambas muito apelativas e dentro do género que me agrada. Depois deste amor à primeira vista, fiquei com as minhas expetativas elevadas e estas não ficaram aquém! O livro apresenta uma narrativa com muito ritmo, focada na relação de amor-ódio dos protagonistas, mas intercaladas com algumas pequenas histórias de personagens secundárias. 

No início do livro, a autora acaba por desenvolver o tema de diferenças de classes, mas acaba por ir diminuindo essas referências, o que acabou por haver um ambiente de "mundo cor-de-rosa" em vez de um mundo realista. Este é o único ponto negativo que encontro neste livro.

Como já referi, para mim o segredo deste livro está todo na protagonista, na sua personalidade e do seu temperamento um pouco "ardente". Peegen é filha de um vigário, que faleceu, e tem que tomar conta do seu sobrinho, filho da irmã e do marido desta, que era um duque, mas ambos faleceram deixando o menino órfão. Peegen vive na pobreza porque o marido da sua irmã foi repudiado quando se casou com alguém abaixo dele na sociedade.

Edward é o tio do menino que anda à procura dele incansavelmente para que este assuma o seu lugar na sociedade e assim Edward consiga "fugir" ao seu trabalho como duque. E é nesta busca que Edward encontra o menino e como consequência, conhece Pegeen. Ele fica logo deslumbrado com a beleza dela e há uma espécie de amor à primeira vista, misturado com um grande sentimento de negação, uma atração fatal com um amor intenso.

Ao contrário do que costuma acontecer nestes romances, Pegeen não é o tipo de mulher que ao descobrir que está apaixonada vai a correr para os braços do seu amado, fazendo de tudo para conquistá-lo, muito pelo contrário, ela afasta-o, irrita-o, pois guarda segredos que envolvem o seu passado e que a impossibilitam de sonhar com o amor.

Um romance numa época histórica que me fez sonhar, rir, desesperar, suspirar, torcer por um final feliz e terminar a leitura com uma sensação deliciosa de: missão cumprida!
8.5
Rosa Selvagem de Patricia Cabot
Muito Bom
Cristiana Ramos
Escrito por:

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e em roer as unhas. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães (quase de uma maneira doentia), mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir).  Fã de Friends, GoT e Big Bang Theory. 

Sem comentários:

Enviar um comentário