Harry Potter e o Cálice de Fogo de J.K. Rowling



Nem sempre a leitura faz parte do meu dia a dia, pelo menos no que toca aos livros tradicionais. A banda desenhada é o que mais leio nos dias de hoje, mas há uns anos atrás este hábito era bem ao contrário. Quero modificar isso mesmo e levar aos leitores do Café Mais Geek uma série de crónicas à cerca do que vou relendo e lendo nos dias de hoje. Há algum tempo já que comecei a reler a saga Harry Potter.

Apesar de ser uma leitura segura para entreter qualquer miúdo, sinto um especial apreço pela mesma. Foram estes os meus primeiros livros mais a sério e gosto sempre de relembrar que durante os lançamentos dos filmes eu tinha exatamente a mesma idade que os três personagens principais. Agora imaginem lá um miúdo a ver um filme daqueles com a idade do Harry Potter, que na sua cabeça só pensava que a sua carta de ingressão em Hogwarts nunca mais chegava. E nunca chegou. Enfim.

Quando o quarto livro chegou ao mercado, este foi-me oferecido juntamente com o primeiro e o terceiro. Sim, eu sei que falta aqui o segundo volume, sempre me perguntei o mesmo depois de ter conhecimento que me faltava um - na altura - na saga. Mas na altura fui lendo a saga através das minhas edições e daquelas que encontrava na biblioteca da escola. Foi a minha primeira grande empreitada no que toca à leitura e como devem perceber, fiquei muito fã.

Neste volume é quando as maiores revelações surgem, ou melhor é quando há uma verdadeira viragem em todo o universo. Uma viragem que nos foi antecipada no final do livro anterior. Relembrar esta história e perceber o quanto difere do filme, que estavam bem mais vivos na minha memória. Como bem sabemos uma adaptação ao cinema nunca consegue chegar aos calcanhares do seu livro, mas quando se consegue colocar a essência acabamos satisfeitos. A verdade é que o Cálice de Fogo tem a sua essência no filme, mas é talvez aquele que mais altera e mais se afasta daquilo que o livro conta. Quer nas personagens que surgem, quer na própria história. Devido ao afastamento e à exclusão de alguns personagens em filmes anteriores, levou também a toda esta diferença.

Quando encerrei a leitura deste volume senti que Harry Potter, apesar de continuar a ser um livro para miúdos é um pouco mais que isso. Acho que podemos dizer que esta saga trespassa idades e principalmente aqui, neste quarto volume é onde se demarca mais isso. Os livros, tal como os personagens vão crescendo e aqui já temos uma leitura diferente. Mais carregada de emoções e onde os personagens crescem de forma como ainda não se tinha visto.

Ler esta saga agora talvez me dê uma perceção um pouquinho - mas só mesmo um pouquinho - diferente daquilo que tive anteriormente e posso mesmo apreciar tudo de forma bem diferente. Não foi há muito tempo que um amigo me viu o que estava a ler e disse diretamente: "Acho que já não era capaz de ler Harry Potter" e até certo ponto entendo o motivo. Quer dizer, os primeiros livros são realmente mais infantis, mas a saga tem um crescimento agradável e é principalmente uma leitura leve. É uma aventura, cheia de fantasia e que não nos prende muito tempo, sempre com aquele toque para os mais novos aprenderem certos valores.

Bem com isto tudo queria apenas aqui esmiuçar um pouco as minhas ideias e a minha relação com este livro e com esta saga. Daqui a umas semanas espero trazer um pouco mais desta história com o próximo volume, que já vai bem avançado. 
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

1 comentário:

  1. AMOOO! Eu com certeza seria capaz de ler todos novamente, inclusive isso está na minha lista de coisas pra fazer haha Ainda mais pq leitura é uma coisa bem cotidiana pra mim :)
    Beijinhoss, Marina
    Posso te esperar no meu? =) Blog Cabide Ideal

    ResponderEliminar