A Maldição de Hill House


O mais belo assustador dia do ano aproxima-se, o tão mítico dia de Halloween, e nesta altura faz-se referência a todas as histórias de terror e se alguma vez conseguiram arrancar algum grito dos espectadores. Se és o amante de terror de certeza que esta série não te passará despercebida e de certeza que já ouviste rumores.

Esta nova série da Netflix dividida em 10 episódios e produzida por Mike Flanagan é uma adaptação do famoso livro de Shirley Jackson do mesmo nome, que remonta a 1959, e que foi inspiração a vários autores de terror, como o aclamado Stephen King e também às diversas histórias contadas por Guillermo del Toro.

Apesar da história de Mike Flanagan nada se assemelhar ao livro, nem as personagens vestirem a pele das da obra literária, nada impediu a aclamação da série e de Stephen King tecer vários elogios. No primeiro episódio somos convidados a conhecer a família que decide comprar a velha Hill House, apesar de vários filmes já retratarem a decisão por vezes estúpida de habitar casas decadentes e assustadoras, neste caso é diferente, a casal Crain ganha dinheiro a comprar e restaurar casas antigas para depois vendê-las. Esta família, para além do casal, é constituída pelos cinco filhos, Stephen, o mais velho, Shirley, Theodora, e os gêmeos Nell e Luke. A primeira realidade com que temos contacto é com a infância destas crianças e depois somos transportados 26 anos e conhecemos a forma adulta e apercebemo-nos dos demónios que cada um tem de lutar diariamente. Cada um têm os seus problemas e os seus medos e à medida que a trama evolui vamos nos apercebendo de como eventos anteriores na Hill House afetaram estas crianças levando aos adultos traumáticos de hoje que deixaram pedaços naquela casa e que levam um pedaço da casa para os dias de hoje.

Esta série não é a típica história de terror e vai para muito além disto, é sobre os demónios que alguns têm de enfrentar, as palavras não ditas, as histórias não contadas, as memórias, as verdades que por vezes tão difíceis são escondidas e na dificuldade por vezes difícil de reconhecer entre o que é realidade ou não. O espectador vai saltando entre o passado e o presente, e vai começando a crescer a ansiedade e a cada vez fica mais difícil desligar e com o crescente suspense que leva ao clímax da história.

Eu sou muita adepta de filmes de terror e quando fiquei a saber desta adaptação não podia esperar porque qualquer coisa me dizia que ia ser espetacular, que depois veio mesmo a ser.  Uma das razões para adorar a série é esta não ser a típica história de terror, mas sim ser sobre uma família e todas as desavenças relacionadas, no entanto no final todos estão no mesmo barco e todos lutam pelo mesmo. Outra razão é a maneira como a história foi desenvolvida, em que tu te tornas mais do que um espetador, mas como algo envolvente na história.

A série acaba com muitas pontas soltas e no fundo o pião ficou a rodar e nós não sabemos se parou ou não, o que leva a questionar se haverá uma segunda temperatura. Por isso, qualquer amante de terror não poderá perder esta série e aproveito para aconselhar também o livro que serviu como inspiração para a série:  A maldição de Hill House  de Shirley Jackson.
Andreia Cunha
Escrito por:

Estudante na bela cidade de estudantes e amante geek de livros e, principalmente, séries e filmes. Adoro tudo o que seja de universo de ficção científica e fantasia, porque não há nada melhor para fugir à realidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário