Jogando o Forza Horizon 4


Iberanime, onde dos fracos não reza a História! Logo de madrugada, às seis e meia da manhã, começamos a nossa demanda pela nacional fora atrás dos nossos sonhos! Alguns pelo Cosplay, outros pelo Anime, e no meu caso pelo Gaming e Retrogaming. Vejo o enorme edifício da Exponor com uma fila imensa de pessoas ansiosas para a entrada e acreditação. Sem desanimar e de passo firme todos lá entrámos! Juro que chateei a minha equipa umas cinquenta vezes para ir direto para a parte do gaming, mas o “temos tempo” deu cabo de mim. Foi com ansiedade que entrei no Pavilhão e logo o vi, à minha esquerda sobre aquele tapete vermelho, a bancada verde e branca, disposta em quadrado com os seus “Pufs” a condizer. Todos os convivas a experimentar a Demo (jogo de demonstração) daquele que me fez pensar como raio é que tirei a minha carta de condução: Forza Horizon 4!

Mal comecei a jogar verifiquei algo que me espantou num título de automóveis, a adaptação não é nada fácil! Foi o início do conhecimento daquele que poderá fazer-me adquirir a plataforma de jogo sem perguntar Porquê, Quando ou Como! A adaptação ao jogo demora pela simulação e realismo em si intrínsecos. Onde muitas vezes perdi a noção entre o que era jogo, simulação e realidade, tive a oportunidade de sentir a excelente ergonomia típica de um Comando da Xbox com o que o jogo nos pedia. As mudanças automáticas são possibilidade antes de uma corrida, porém temos de deixar a magia fluir nos nossos dedos e preparar um bom “Kit de Unhas” pois as mudanças manuais neste jogo são priceless! Com várias missões espalhadas, o mapa é extremamente rico e complexo, os detalhes são imensos e vão ao ínfimo. Pelo que notei, encontramos uma grande cidade e duas vilas, com detalhes de campos cultivados e com os relevos das estradas. Encontramos a indicação do clima, tempo e temperatura, algo que deduzo que não esteja por acaso. Também explorei o menu e a quantidade de automóveis disponíveis. Obviamente que tive algum azar pois como versão de demonstração não tive acesso a todos, no entanto ver e conduzir um Ford Escort RS Cosworth (1992); um Lancia 037 Stradale (1982); e um Subaru Impreza WRX STI (2005) fez-me ir à Lua! Perdi a idade que tenho e voltei a ser uma criança com uma consola à frente, a crónica e análise ao jogo diluíram-se e fiquei maravilhado. Meu Deus, nem sei no que estes programadores e editores estavam a pensar! Fiquei-me no Ford, na sua cor branca, com aqueles quatro faróis redondos em arco. O ronco do motor, na medida em que trabalha nervosamente quando o faço acelerar e andar, sobre curva e contra curva, nem vos conto! No interior da máquina é de uma pessoa ficar com as lágrimas nos olhos, pela forma como a luz bate no tabliêt e roda sobre o volante, o detalhe do símbolo e dos botões de habitáculo, realmente é um espanto! Naquele que começo a considerar O Título para a Xbox desta última geração, não se fica por aqui!

Antes de uma corrida, o jogo torna-se complexo pela quantidade de modificações que é possível realizar no automóvel. Precisamos de ter em atenção o clima e temperatura, o trajecto da corrida e as capacidades do carro. As modificações a realizar são: Pneus, Direcção, Alinhamento, Anti-Roll Bar, Suspensão: molas e amortecedores (Springs e Damping, existe distinção, sim!), aerodinâmica (Aero), Sistema de travagem e Diferencial!

A minha primeira corrida foi horrível, bati com o meu Fordzito em tudo o que era sítio! Com uma condução suicida fiz restart aí umas três vezes, para ser humilhantemente derrotado constantemente. Percebi o porquê quando fui ver as opções e alguma malta pôs os adversários em Unbeatble, que para um Rookie como eu só significou ver os pára-choques e os ailerons traseiros dos adversários. Serviu também para reparar, de novo maravilhado, para os detalhes dos outros carros, para o profundo grafismo impresso no ambiente aquando em velocidade, as árvores e as casas, e em tudo o que não conseguimos ver em competição. Pena só tive de não ter jogado online nem experimentado mais automóveis, apesar disso, com sentimento de missão cumprida, dei lugar a um menino, que com olhar aguado e ansioso, observava-me a jogar.

Arrumei o meu bloco de notas e caneta, ao qual espero estar a fazer jus a este jogo da Xbox, que só pela Demo considero a sua obra-prima, que me faria esperar à chuva como qualquer rapaz apaixonado esperaria pela sua amada!
Armando Mateus
Escrito por:

Gamer dedicado, leitor apaixonado e escritor nos tempos livres. Fascinado por um todo produzido pela Sociedade: a Cultura, o símbolo dos velhos e dos novos tempos!

Sem comentários:

Enviar um comentário