Mysterium


Quando decidimos avançar para um grande especial de Halloween houve um jogo que me lembrei logo: Mysterium! Para quem ainda não conhece este jogo de tabuleiro vou tentar explicar um pouco do que o destaca e principalmente do que o torna um grande jogo para esta época festiva. Apesar da história que antecede o jogo não ser importante para o jogo em si, esta estabelece uma ligação inicial a todo o caso e é perfeita para uma noite de Halloween, por isso posso começar por referir um pouco sobre essa mesma história. A 13 de dezembro de 1894, o Conde de Warwick celebra o aniversário da sua filha Margaret através de um baile de máscaras com cerca de 100 convidados e por volta das uma e meia da manhã um dos empregados foi encontrado morto. A polícia iniciou uma investigação em busca dos culpados e da família da vítima, mas após quatro meses sem sucesso acabou por considerar um acidente. Um mês depois da investigação terminar o Conde e a sua família deixam a mansão por já não se sentirem à "vontade". A mansão, agora à venda acabou nas mãos do clã MacDowell. Após 30 anos, Conrad MacDowell que seguiu uma vida como cristalomante, convida um conjunto de especialistas em várias áreas do oculto para o ajudar a descobrir um grande mistério que envolve a mansão. MacDowell percebeu que o fantasma do empregado quer comunicar, mas não consegue e para isso espera que com esta ajuda consiga descobrir o que este fantasma quer. E em que dia acontece este encontro? No Samhain, que é de 31 de outubro para 1 de novembro, mas só têm 7 horas para descobrir algo ou perde-se o contacto até ao próximo ano.

Como podem perceber temos uma base muito bem trabalhada para um jogo que pouco uso faz desta história, mas onde os criadores mostraram dedicação em criar todo o ambiente necessário para sentirmos que realmente estamos nos papéis destes nobres convidados e estamos a descobrir um grande mistério. O contacto com fantasmas é um grande tema para considerar este jogo para a noite de Halloween e ainda tem uma grande vantagem: é um jogo até 7 jogadores e cooperativo, o que concerteza irá deliciar muita gente. Seis dos jogadores tomam as posições de MacDowell e convidados, enquanto o sétimo faz de fantasma. Tudo o resto pode ser ambientado com a banda sonora presente no site do jogo e claro quanto melhor a representação dos jogadores, mais interessante isto fica. Como só tem sete horas, o que significa sete turnos, os jogadores têm de trabalhar em conjunto para perceber as visões de cada um e assim tentarem acertar nos seus suspeitos e acreditem que tudo se pode tornar num verdadeiro desafio.

Mas e a arte e os componentes? Bem com esse aspeto não precisam mesmo de se preocupar. Nas mãos de Oleksandr Nevskiy. e Olegário Sidorenko, estes conseguiram pegar numa ideia de um jogo que usa um sistema de cartas com diversos sentidos, que é o Dixit e reinventar neste fantástico novo jogo com uma arte nas cartas de visão que se assemelham à qualidade apresentada em Dixit e uma série de grandes componentes onde a única pena é ser tudo de cartão e alguns dos componentes começarem a perder o desenho com o tempo. Toda a arte dos componentes remete ao estilo que imaginamos existir em toda a mansão, criando um ambiente único. Tudo no jogo nos transporta para a noite em que temos de tomar contacto com o fantasma e as mecânicas bem trabalhadas aliadas a um estilo incrível ajudam imenso a ficarmos ainda mais fãs.

Este é um daqueles jogos que vos vai acompanhar para várias sessões familiares e com amigos. É divertido, tem a sua dose de desafio e é interessante o suficiente para colocar todos em torno da mesa a tentar adivinhar tudo o mais rápido possível. Muito do trabalho também vem do fantasma, que por aqui costuma ser o lugar que todos querem, mas depois nem todos se safam muito bem. Em qualquer uma das posições garantimos muitas horas de diversão e muita cabeça confusa para tentar entender as visões (cartas) dadas pelo fantasma. Quando se cansarem das cartas existentes no jogo podem ainda contar com uma expansão onde encontram ainda mais suspeitos e locais de crime, assim como armas e ainda cartas de visão para o fantasma. Assim já sabem se procuram um jogo bom para se divertirem com a família ou amigos nesta noite das bruxas dêem uma oportunidade a Mysterium que temos a certeza que não se vão arrepender.
9
Mysterium
Incrível
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

Sem comentários:

Enviar um comentário