Itazura na Kiss


Sou bastante “verde” no que toca a animes. Já vi alguns, mas confesso que se calhar nunca vi aqueles mais icónicos e obrigatórios. Como uma romântica incurável que sou, os animes que vejo precisam de ter um romance algures. Outro critério de escolha é o tamanho do anime, normalmente só escolho animes de apenas uma temporada e que tenham no máximo 30 episódios. A partir daí já começo a torcer o nariz. E claro, como em tudo o que escolho na minha vida, o anime tem que me agarrar logo no início, senão o mais provável é acabar por desistir.

Sendo assim, vou estrear-me na área do anime aqui no blogue e tinha que começar obrigatoriamente com Itazura Na Kiss. Este anime é considerado um romance “Shoujo”, que significa que tem como alvo o público feminino. Baseado num manga, apresenta 25 episódios e estreou no ano de 2008.

O enredo para Itazura na Kiss não é diferente dos típicos romances “shoujo”. Temos uma rapariga chamada Kotoko que anda no colégio, que apresenta uma personalidade simples e desastrada, mas ao mesmo tempo fofa. Ela apaixonou-se pelo ídolo da escola, o belíssimo e inteligente Naoki Irie. Quando ela finalmente reúne a coragem necessária para escrever uma carta de amor e confessar todos os sentimentos, o rapaz recusa-se aceitar a carta e a lê-la, dizendo que não gosta de raparigas “estúpidas”. Quando a casa de Kotoko é destruída devido à construção defeituosa, ela e o seu pai são forçados a morar com o seu velho amigo, que por acaso é o pai de Naoki! 

Apesar da premissa pouco inovadora, a história é bastante engraçada e interessante. Kotoko tenta desesperadamente superar os seus sentimentos, apesar de Naoki ser frio, desinteressado e até um pouco malvado para ela. Embora parte disto passe da linha de ser imperdoável para o meu cérebro feminista, nunca existe um sentimento cruel ou absolutamente mal-intencionado. Simplesmente, Naoki não sabe reagir de outra maneira porque pela primeira vez vê-se perante sentimentos que nunca tinham sido despertados nele e não sabe como se comportar perante eles.
Algo que adorei em Itazura na Kiss é algo que quase nunca vemos: o depois de “eles viveram felizes para sempre”. A maioria dos romances evolui no espaço de no máximo um ou dois anos. Neste anime é completamente diferente, aqui os anos passam à medida que vemos o casal evoluir e seguir em frente para cada nova etapa desde universidade, trabalho, uma vida a dois. 

Kotoko é uma heroína shoujo muito satisfatória. Ela tem todos os atributos que se esperaria: é fofa, mas não muito bonita, desajeitada e desastrada, e não muito inteligente. O que ela lhe falta em inteligência, ela compensa em determinação, trabalho duro e um foco singular em conseguir o amor do rapaz que ela está interessada. Algo que me deixou de pé atrás com a personagem é o facto de parecer que ela não tem sonhos reais além do seu relacionamento com Naoki e mesmo todas as situações que ela aceita por parte de Naoki. Talvez seja o meu orgulho feminino a falar por mim, mas muitos dos acontecimentos que sucedem fossem comigo, o rapaz podia fugir que era capaz de a coisa ficar negra para ele.

O famoso Naoki não é o tipo de rapaz por quem eu gostaria de me apaixonar, apesar de ter muitos atributos a favor dele: é bonito, inteligente, filho de um presidente de uma empresa e admirado por mulheres e até homens! O senão nesta personalidade é o facto de ele ser uma pessoa fria e indiferente para toda a gente. É possível observar um crescimento na personagem ao longo do anime, mas é irritante quando ele volta aos velhos hábitos. Mas no final da série, há a sensação que Naoki se tornou um “ser humano aceitável” e tudo graças a Kotoko, apesar de ter demorado 10 anos!

Como qualquer romance, não estaria completo sem as personagens secundárias que tentam atrapalhar ou ajudar o relacionamento do casal principal. Não há vilões reais no elenco e vamos acabar por gostar de cada um deles e vamos sentir-nos felizes quando eles encontrarem os seus próprios amores.
A arte e a animação são muito boas. Cores pastel e uma abundância de cores quentes encimam o quadro visual, o que me deixa surpreendentemente pouco a dizer. Itazura na Kiss mantém um estilo testado e comprovado, e executa as suas tarefas estéticas sem erros.

Itazura na Kiss chega perto de receber uma pontuação perfeita. De um ponto de vista puro de prazer, supera isso. Posso ser um bocado culpada a falar porque esta história vai ficar sempre no meu coração. Já perdi a conta ao número de vezes que revi este anime e acreditem, daqui a uns tempos estou a voltar a vê-lo. Posso dizer que é um dos meus guilty pleasure. Talvez gosto de acreditar que com muito esforço e dedicação seja possível alcançar tudo, até um amor impossível!

Cristiana Ramos
Escrito por:

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e em roer as unhas. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães (quase de uma maneira doentia), mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir).  Fã de Friends, GoT e Big Bang Theory. 

Sem comentários:

Enviar um comentário