Escape Room


O pessoal que aqui se junta no Café Mais Geek para vos providenciar artigos únicos nas mais variadas áreas do entretenimento andou em determinada altura louco com estas coisas dos Escape Rooms. Para quem não sabe o que isto é, cá por Portugal existem vários e só em Coimbra temos três mais famosos, onde um grupo de pessoas é colocado num espaço e trancado e tem uma hora para encontrarem uma forma de sair daquela sala ou um conjunto de salas. Normalmente, conta com toda uma história que antecede os acontecimentos da nossa reclusão e o espaço está sempre apinhado das mais variadíssimas pistas que nos vão auxiliar ao longo da nossa fuga. Algo extremamente popular por todo o mundo acabou por originar um filme e não podia ser outra coisa que um filme com inclinação para o terror. Por muito mau ou bom que achem este filme, podemos estar aqui na origem de mais uma saga ao estilo SAW - refiro-me aos primeiros três! - ou até Final Destination.

Escape Room leva o público ao encontro de um grupo de personagens, à partida bem distinto que são convidadas a entrar no jogo mais imersivo da história e de onde ninguém saiu. O prémio? 10.000$! Uns pelo prémio, outros por se virem obrigados a não recusar prendas, lá apareceram por sua vontade no local determinado. E, atenção que este jogo é mais macabro que o próprio Jigsaw, porque aqui as pessoas vão pelo seu pé para o local onde vão morrer! A partir daqui não posso contar mais. Sim, a história é assim tão simples e lá pelo meio vão tentando enfiar algumas histórias secundárias para dar sentido a tudo o que está a acontecer. A verdade é que o filme não tem muito para oferecer, apesar da sua base estar centrada em jogos que por vezes têm histórias tão complexas que perdemos a grande maioria do tempo a tentar perceber onde estamos enfiados. Ganha depois na construção de cada uma das salas por onde passam que realmente estão muito bem desenhadas e tornam o jogo muito mais interessante, mas já lá vamos. Antes disso é preciso referir que este está longe de ser um filme de terror. Não assusta e não vão encontrar mutilações ao nível de SAW, outros filmes gore, aliás este até é bem leve, para o género, sendo mais fácil considerar este filme como suspense ou até um thriller psicológico em alguns dos seus aspetos.

Vamos então falar do que aqui se destaca mais. As salas. O trabalho de cenário que aqui foi feito é brilhante. Mostra até certo ponto o funcionamento de salas deste género, mas com o twist de aqui haver mortes reais. Consegue dar o aspeto e ideia do que este tipo de jogos podem ser e de como podem até ser divertidos, feitos em lugares seguros e com pessoas de confiança! Acreditem que para nós foi bem divertido. Cada sala é temática e envolve aspectos interessantes para a sua resolução. Desde as coisas mais banais como a colocação de copos em espaços próprios até à resolução de um quebra cabeças que eu iria demorar um belo tempo a resolver. Tem ideias interessantes e que gostaria de experimentar num jogo destes - sem a parte das mortes, claro. É pena que apesar de uma enorme tentativa de demonstrar a pressão que cada um deles sofre por ver o tempo a escoar e a sua vida a poder ficar por ali, isso nunca transparece muito para este lado e muito graças ao formato como este filme foi construído a grande maioria do tempo, tendo uma pequena ideia de quem vai ficar por ali ou quem segue em frente. No momento em que realmente começaram a chamar à atenção pelo mundo em redor daquele macabro jogo, o filme termina e não há grande foco nessa história, talvez para um possível sequela.

Escape Room não é um bom filme, mas também não é um mau filme. Tem os seus pontos positivos e os seus pontos negativos. Irá entreter um grupo de pessoas, mas muitos vão ficar rapidamente aborrecidos. É realmente um filme que está no intermédio e daí a nota dada ser o meio-termo. Considero mesmo que podia ser uma nota mais baixa, mas vejo algum potencial na ideia aqui demonstrada e apesar de achar que nunca chegará aos níveis de saga que o SAW chegou, tem tantas capacidades como esse para continuar. É um daqueles filmes de suspense que tendo a gostar apesar dos seus problemas e com certeza voltarei a ver mais tarde. Acho que tenho aqui os meus guilty pleasure do cinema. Coloco este ao lado de títulos como Disturbia e só tenho pena de não haver assim tantos, porque pelo menos eu acabo sempre entretido e como não demoram muito tempo a ver ainda é melhor. Espero agora por ver se haverá mais e com certeza lá estarei para continuar a acompanhar a continuidade desta história.
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

Sem comentários:

Enviar um comentário