A Kiss in Time


Virou moda refazer os contos de fadas em tempos modernos, sendo este o conto da Bela Adormecida.

Talia é uma princesa mimada e entediada pela vida que tem, que desde que tinha idade suficiente para entender o que as pessoas lhe diziam, era avisada para evitar fusos, por causa de um feitiço que ela sofreu durante o seu batismo. Talia, na verdade, nem sabe como se parece um fuso, já que todos os objetos foram banidos do país, mas no seu décimo sexto aniversário, a princesa vagueia pelo palácio, experimentando vários vestidos com o objetivo de encontrar o perfeito para o seu baile de aniversário e encontra uma velha senhora que a deixa brincar com o seu objeto de fiação interessante e desconhecido para Talia, ou seja, um fuso! E assim, a princesa e todo o reino de Euphrasia (ao lado de Bélgica) adormecem e o país desaparece do mapa.

Trezentos anos depois, o adolescente americano Jack está em férias pela Europa durante três semanas, com todas as despesas pagas. Ele, na verdade, não aprecia o quão sortudo é, e quer voltar para casa. Ele e seu amigo escapam da turnê programada e quando vão para uma praia, encontra uma sebe muito espessa que esconde Euphrasia, conseguindo ultrapassar a e encontrar o palácio real. Jack encontra a princesa adormecida, e está impressionado com a vontade enorme de beijá-la. O seu beijo, tal como conta a história, acorda Talia, e como a magia diz que só o beijo do amor verdadeiro poderia despertá-la, Talia deduz que o cavalheiro estranhamente vestido deve ser o seu verdadeiro amor, quer ele queira ou não.

O resto do reino também acorda, e os pais de Talia não muitos felizes por perceberem que estão a 300 anos longe da sua época. Eles culpam Talia apesar de a jovem não ter a culpa, porque a magia seria inevitável. A princesa obriga Jack a levá-la com ele e partem a caminho dos EUA. Jack quer levar Talia principalmente para irritar os seus pais, já que ele sente que os seus progenitores não se importam com ele e nunca estão lá para ele, enquanto Talia só quer ver o mundo e ser uma rapariga normal, depois de ter sido extremamente protegida durante os primeiros 16 anos de sua vida.

Ambos os protagonistas começam a relação num ambiente bastante antipático, mimado e egocêntrico, mas ao longo da história, eles forçam o outro a ver o mundo de diferentes maneiras. Jack introduz Talia à tecnologia moderna, aviões, telemóveis e cachorros-quentes, enquanto Talia mostra a Jack que, ouvindo as pessoas ao seu redor, e talvez comunicando com elas em vez de afastá-las, ele pode aprender alguma coisa, e, possivelmente, resolver alguns dos seus problemas que o tem frustrado e irritado, como por exemplo, a sua relação com os pais.

Para além A Kiss in time, a autora escreveu Beastly, muito conhecido por ter sido transformado num filme. No geral, eu achei A Kiss in Time uma divertida maneira de recontar a Bela Adormecida. É uma leitura muito rápida e leve. Embora não seja o melhor livro do mercado, é satisfatório. Fãs de outros livros de Alex Flinn, ou de releituras de contos de fadas devem dar uma oportunidade a este!
6.5
A Kiss in Time
Satisfatório
Cristiana Ramos
Escrito por:

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e em roer as unhas. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães, mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir). Fã de Friends, GoT e Big Bang Theory.

Sem comentários:

Enviar um comentário