Alita: Anjo de Combate



Não foi há muito tempo que ouvi falar deste filme pela primeira vez. Fiquei interessado logo à partida, principalmente pelos nomes por trás de Alita: Anjo de Combate. James Cameron e Robert Rodriguez são dois nomes enormes do cinema e esta adaptação ao cinema hollywoodesco de um manga tem de início uma grande hipótese de correr mesmo bem. Enquanto Cameron se prepara para lançar todas as sequelas de Avatar nos próximos anos, surge a oportunidade de trabalhar em Alita, algo que já estava na gaveta há alguns anos por parte do famoso realizador. Aqui a realização coube a Rodriguez e pode-se dizer que não falhou totalmente. Apesar de não conhecer o manga totalmente este filme parece ser uma das mais bem conseguidas adaptações americanas de uma história japonesa. Ao longo desta opinião vão poder perceber a minha ideia acerca do filme sem estar preso à sua base original e assim ter uma visão talvez um pouco diferente.

Com um mundo criado totalmente através dos efeitos especiais, este é um dos aspectos mais importantes a ter aqui em consideração. O filme está visualmente incrível e apresenta um mundo repleto de detalhes muito bem trabalhos. A vida circundante e todo o ambiente futurista, com todo o espaço robótico e cibernético a ser muito bem construído e trabalhado. Algo que pode ser a partida estranho para absorver é tudo o que por ali se passa e apesar de tudo, parece ter o seu enredo completamente ligado à manga. Considerado por muitos fãs da história original, como uma autêntica carta de amor, cheio de referências e momentos icónicos que vão deixar qualquer fã de Alita aos saltos. Mas não está apenas feito para os fãs mais acérrimos. Oferece um conjunto de momentos tão bem realizados e uma montagem que realmente nos faz viajar até aquele mundo. A ideia foi muito bem conseguida, quer em termos de realização, como de narrativa.

As personagens são interessantes e cada uma com a sua pequena história secundária que vão oferecendo conteúdo e força a todo aquele mundo, nunca tirando protagonismo à principal personagem e sempre com uma ligação muito forte entre todos. Um dos meus atores favoritos está presente neste filme: Christoph Waltz. Waltz é para mim um dos grandes nomes na indústria no cinema, desde que vi Inglourious Basterds ou Django Unchained que fiquei completo fã do seu trabalho. O seu papel aqui é super interessante e cada pormenor que é contado onde se mostra todas as suas intenções e todo o seu envolvimento naquele mundo torna tudo ainda mais interessante. A protagonista, Rosa Salazar ganhou nome na série American Horror Story e com alguns papéis mais pequenos em filmes famosos como Maze Runner, tem agora uma entrada em grande neste Alita. Apesar de toda a sua reconstrução digital, tendo em conta a cibernética personagem, apresenta-nos um grande trabalho e é enternecedor a forma como consegue criar uma ligação com o público.

Alita: Anjo de Combate é um filme que merece a sua visualização. Sejam fãs ou não, tenho a certeza que será uma bela surpresa e posso garantir que toda a campanha publicitária não faz justiça ao resultado final. É um filme onde os efeitos são incrivelmente importantes e estão no ponto, carregados de pormenores riquíssimos e que garantem uma qualidade soberba ao título. Sem dúvida que este trabalho não ficou apagado pelo desenvolvimento de todas as sequelas de Avatar e Cameron pode estar realmente feliz pelo seu resultado. Espero que haja uma possível sequela, pois será muito interessante ver ainda mais deste mundo e ficar a conhecer um pouco mais sobre Alita e o seu passado. Ainda há muito para explorar nesta história e é uma pena se tudo ficar por aqui. É esperar para ver, mas terminamos aqui em nota muito positiva, onde um filme baseado num manga finalmente conseguiu ter uma adaptação bem construída e onde o trabalho poderá vir a ser recompensado. Não é um filme perfeito e tem os seus momentos que podiam ser um pouco mais interessantes, principalmente em alguns personagens e em alguns momentos mais óbvios, mas é um belo título, que merece mesmo muito o vosso tempo.
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

Sem comentários:

Enviar um comentário