Titans


Titans foi uma das primeiras séries originais criadas para a DC Universe, o serviço de streaming que desde 2017 tem vindo a exibir conteúdo da DC.

Numa tentativa de se "divorciar" do Batman, Robin muda-se para Detroit, um dos sítios mais famosos por serem pacíficos e onde Robin poderá finalmente pendurar a capa. Certo? Claro que não! Em menos de 5 minutos já está na rua a distribuir pastéis de porrada pelos bandidos, actividade no meio da qual conhece: Starfire, uma rapariga que cospe fogo pelas mãos (mas só de dia); Raven, uma rapariga que não consegue decidir se está possuída pela má sorte ou se realmente tem super-poderes; e Beast Boy, um rapaz que diz que se pode transformar em qualquer coisa, mas que prefere viver com o cabelo verde.

Falando em cabelo verde, a série passou por um mau bocado ainda antes do seu lançamento, quando foram divulgadas imagens do elenco em personagem. Porquê o mau bocado? Bom, em termos visuais, o aspecto das personagens não segue exactamente o das bandas desenhadas ou séries animadas nas quais a série se baseia. Como espectador que apenas conhecia a maioria das personagens de vista, não senti nenhuma angústia com o aspecto de qualquer uma delas, excepto talvez a Starfire, que misteriosamente muda de roupa entre episódios sem ninguém dar conta.

O drama é pontuado por cenas de acção e conta a história da origem de um grupo de jovens super-poderosos, nomeadamente Robin/Dick Grayson (Brenton Thwaites), Raven/Rachel Roth (Teagan Croft), Starfire/Koriand'r (Anna Diop) e Beast Boy/Gar Logan (Ryan Potter). Além disso, o elenco conta ainda com Alan Ritchson como Hawk/Hank Hall, Minka Kelly como Dove/Dawn Granger, Curran Walters como Robin/Jason Todd e ainda Conor lesli como Wonder Girl/Donna Troy.

As coreografias são boas, apesar de não estarem ainda a par com outras séries do mesmo género, e os efeitos especiais são de qualidade variável. Há cenas fantásticas e há cenas "ai Jesus, devem ter ficado sem dinheiro". No departamento de fatos e caracterização, o panorama é o mesmo. O fato do Robin parece ser de excelente qualidade e o casaco do Beast Boy é... vá, único. Já a Starfire e a Raven não vestem nada de especial. Além disso, boa parte do elenco tem o cabelo pintado. Não é bom, nem é mau. É só um facto que às vezes salta aos olhos.

As interpretações são aceitáveis. Quem merece mais palmas serão talvez Brenton Thwaites e Ryan Potter, que jogam em extremos opostos do espectro: um mais sério e sombrio, outro mais brincalhão e primitivo.

Como não poderia deixar de ser, Titans está cheia de referências aos heróis "a sério" da DC, como o Batman ou a Mulher Maravilha. No entanto, não vive na sombra deles e tem personagens principais que levam a história a bom porto por si só.

No geral e em todos os aspectos, a série varia muito em termos de qualidade e ritmo, sendo a palete de cores o que se mantém mais constante ao longo dos 11 episódios. Isso faz com que seja difícil de avaliar a série como um todo.

Para fãs da DC, claro, força, vejam, devem gostar. Para fãs de super-heróis em geral, diria que sim, mas só depois de ver outras séries como as da Marvel-Netflix, Heroes ou as primeiras temporadas de Arrow. Que é como quem diz: Há coisas melhores, dependendo dos gostos.

A série está marcada para uma segunda temporada e até já tem um spin-off chamado Doom Patrol.
Pedro Cruz
Escrito por:

"Spawned" em Aveiro no fim do início da década de 90, apreciador de amostras de imaginação e criatividade, artesão de coisas, mestre da fina e ancestral arte da procrastinação e... por hoje já chega. Acabo isto amanhã...

Sem comentários:

Enviar um comentário