Nós


Vou começar com imensa sinceridade e muito direto ao assunto. Get Out ou Foge, como é conhecido em Portugal, não foi um filme que me tenha chamado muito à atenção. Apesar de toda a controvérsia em torno dos prémios de Hollywood, mesmo tendo ganho alguns, sempre foi aquele título que foi passando a vez. Com isso não é muito difícil compreender que foi uma surpresa saber que Nós é outro título de Jordan Peele. Quando a Cristiana me disse: olha vamos ver o Nós? A minha primeira reação foi simplesmente: o que é isso!? Depois de perceber que tipo de filme se podia estar perante , fiquei algo reticente, mas decidindo dar uma oportunidade acabou por me cativar e mesmo com algumas ideias que não me convenceram totalmente, acabou por ser uma bela experiência. Com mais este filme, o realizador demonstra exatamente o estilo que pretende oferecer.

A história de Nós é… Faltam-me palavras para descrever o que realmente é… Vamos dizer que é altamente complexa com um conceito que vai deixar muitos estupefactos. É aquele tipo de filme onde todos os pormenores interessam e se falham apenas uma sequência podem vir a ficar extremamente confusos. Com alguma atenção, a história começa a ficar óbvia enquanto nos aproximamos do final e podem ter a garantia que tudo é explicado. Tal como em Foge, o realizador não deixa pontas soltas ou perguntas por responder e apesar de ter algumas ideias sujeitas à interpretação de cada espectador, vão acabar por chegar todos à mesma conclusão. O interessante enredo leva os personagens por um emaranhado de situações que vão deixar qualquer um perplexo principalmente pelo quão estranho tudo é. Alguém achou que seria importante colocar alguns momentos divertidos e aí entra uma personagem em específico para os criar. Apesar de não destruir por completo a tensa experiência desta história, acaba por tornar tudo mais relaxado e no final das contas poderá não agradar a todos.

Há algo que aqui não falha: o elenco. Um conjunto de nomes já bem conhecidos na indústria ilustram bem a qualidade de interpretação aqui prestada. Podem não ser os mais interessantes de Winston Duke ou de Elisabeth Moss, mas sem dúvida que tem a qualidade esperada. Lupita Nyong'o volta a apresentar-se de forma incrível, principalmente quando temos Red em destaque. A qualidade do elenco envolve o espectador ainda mais na história oferecendo uma bela e diferente experiência.

Enquanto vou escrevendo isto apercebo-me que não tenho muito a contar acerca de Nós. É interessante, conta com um belo elenco, uma história no mínimo estranha e com umas ideias meio loucas, uma realização dentro do interessante, apontando para algumas cenas muito bem montadas e principalmente alguns planos que realmente se destacam. No geral, é um filme a ter em consideração por quem adorou Foge. O estilo assemelha-se e apesar de ter uma ideia completamente distinta, parecem ter sido tirados exatamente da mesma fornalha. Espera-se que o realizador continue o seu trabalho, pois tem sido realmente bom e apesar deste ser apenas o seu segundo título já demonstra uma qualidade e principalmente consegue ser único numa altura onde a grande maioria das ideias são recicladas. Um filme que se diz de terror, mas pouco ou nada tem nesse aspecto, a não ser a história algo extrema e alguns momentos mais sangrentos, contudo nada de sustos. Já no que toca a estar marcado também como um thriller pode-se dizer que encaixa como uma luva neste género. Nós é um filme decente, com um bom trabalho na sua realização e que com certeza irá agradar muitos fãs do género. De destacar mais uma vez as suas ideias inovadoras e um trabalho incrível do elenco.
7
Nós
Eduardo Rodrigues
Escrito por:

Nascido em Coimbra, a residir bem perto e a estudar cá. Considero-me um geek, um devorador de filmes e adoro ler um bom Comic. Gosto de videojogos e adoro o mundo Nintendo. Tenho uma pequena coleção que vai desde a Mega Drive até à Wii U. Adepto quase fanático da Briosa e um assistente fervoroso no estádio.

Sem comentários:

Enviar um comentário