Acabei de Acabar

Kirby's Extra Epic Yarn

Nintendo 3DS

Kirby's Extra Epic Yarn


Kirby’s Epic Yarn foi facilmente um dos destaques da Wii, combinando plataformas cuidadosamente projetadas com uma estética arrojada e original. Dada a recente tendência da Nintendo para reviver os jogos já lançados, não é nenhuma surpresa vê-lo a voltar, mas o que é surpreendente é que trouxeram para a Nintendo 3DS em vez da Nintendo Switch. Dado o pouco uso que esta portabilidade dá ao touch screening e à falta de 3D, é ainda mais estranho que a bolinha rosa da Nintendo não tenha sido trazido para a consola mais recente.

Kirby’s Extra Epic Yarn transfere Kirby da sua conhecida Dream Land para um mundo feito de lã. É o seu apetite insaciável que tem a culpa, pois ele erroneamente tenta comer um tomate feito de fio do malvado feiticeiro Malandrana, que o acaba por punir, sugando-o para o interior de um mundo feito inteiramente de lã e outros tecidos variados.

A apresentação da história é tipicamente polida com uma excelente narração e visuais impressionantes, mas o mais importante é que está intimamente ligada à jogabilidade. Ao contrário de outros jogos de Kirby, a sua forma de lã significa que ele não pode engolir seus inimigos, mas por outro lado ganha novas habilidades. Em vez disso, ele deve desvendar objetos, destruir os inimigos e usar os seus restos enrolados (é tudo feito em lã) como projéteis. Usando as suas novas habilidades, Kirby salva um indivíduo estranho de um monstro, que não é outro senão o príncipe Batuffolo, futuro governante de Toppalandia, que também está a lutar contra com os planos sombrios do mago Malandrana


Um dos principais atrativos de Kirby’s Extra Epic Yarn foi o facto de que os níveis podem ser sempre completados, porque é impossível morrer. Para alguns jogadores, este pode ser um ponto negativo porque retira o maior desafio deste tipo de jogos de plataformas. Por outro lado, permite que crianças de qualquer idade consigam progredir através da história sem os bloqueios habituais do jogo. Mesmo com a dificuldade diminuída, derrotar os inimigos ainda é recompensador, pois todos eles têm elementos de quebra-cabeças que exigem resolução para obtermos as melhores pontuações.

Atravessando os níveis e derrotando os inimigos, recebe-se as famosas “moedas”, tal como acontece nos jogos de Sonic e de Mario, e sempre que somos atingidos, o Kirby deixa cair as moedas que ele coletou, e temos que as apanhar freneticamente antes que elas desapareçam. Há um claro desafio em chegar ao final de cada nível com moedas suficientes para ganhar um nível de ouro. Isto é particularmente impressionante nas batalhas contra os grandes inimigos, porque simplesmente derrotá-los da maneira mais rápida não fornecerá as moedas suficientes para as melhores recompensas. 

Juntamente com estas moedas, cada nível tem dois itens de mobiliário e um CD de trilha sonora para encontrar, muitos dos quais estão diabolicamente escondidos. Obter o máximo de cada nível proporcionará horas de diversão para o jogador.


O que temos aqui não é apenas uma portabilidade completa do jogo da Wii, pois existem várias novas adições que fornecem mais desafios de jogo. Os minijogos ligados aos itens de mobiliário também retornam e oferecem jogos mais tradicionais com limites de tempo, corridas, entre outros. Eles mostram o quão bem os níveis são projetados, embora as recompensas para estes objetos sejam apenas mais estéticos. Esse aspeto do jogo parece bastante supérfluo e podia ter se beneficiado de estar mais integrado ao modo história.

Além destes minijogos, há modos de bônus extras que incluem os King Dedede e MetaKnight. Estes níveis são uma ótima distração, mas também não oferecem muito valor além de mais itens de mobiliário. No MetaKnight, teremos que flutuar por quatro estágios e enfrentar dezenas de inimigos enquanto que no King Dedede, temos que pular e correr da esquerda para a direita o máximo que pudermos, perseguidos pelo cronómetro, como num jogo de corrida para telemóveis.

Talvez a adição mais interessante a esta portabilidade seja o novo sistema de chapéus, sendo que é fornecida uma gama de novas habilidades, o que pode tornar os níveis muito mais fáceis. 


Como era de se esperar, o modo para dois jogadores foi removido, com o príncipe Batuffolo a passar para uma um mero NPC (já referido inicialmente). A trilha sonora também é muito boa, estando presentes todas as faixas do jogo original, além de um punhado de novos arranjos criados especificamente para esta nova edição. 

A nova adição final ao Kirby's Extra Epic Yarn é a mais revolucionária. Cada nível é jogável no modo de história original ou em um novo modo Diabólico. Neste modo, os inimigos perseguem-nos por toda a parte, transformando o estilo de jogo de cabeça para baixo e adicionando uma nova reviravolta em comparação ao modo original. Enquanto a maioria das outras novas adições do jogo são boas o suficiente, este novo modo representa quase toda uma nova visão de todo o jogo e proporcionará um grande desafio para os jogadores mais experientes.
Cristiana Ramos
Escrito por:

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e em roer as unhas. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães, mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir). Fã de Friends, GoT e Big Bang Theory.

Sem comentários:

Enviar um comentário