"O Primeiro Homem" agora em novela gráfica


Publicada pela primeira vez mais de trinta anos depois da morte de Albert Camus, O Primeiro Homem rapidamente se tornou um bestseller mundial, sendo considerada a mais autobiográfica obra do autor. A Porto Editora publica a adaptação a banda desenhada deste romance marcante da literatura francesa pela mão de Jacques Ferrandez. Na sua origem fragmentado e inacabado, o manuscrito de Camus ganha uma nova leitura através das imagens de Ferrandez, que preenchem com delicadeza espaços que haviam ficado vazios. 

No prefácio a esta edição, Alice Kaplan – professora doutorada em Literatura Francesa – defende que neste livro se sente o dom da improvisação, aliado à fidelidade ao romance: 
Para Jacques Ferrandez, o grande desafio era transmitir o essencial da obra, preservando as suas zonas de mistério. 

Na Porto Editora estão já publicadas outras novelas gráficas, adaptadas a partir de livros famosos: O Diário de Anne Frank, A Viagem do Elefante, de José Saramago e O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway.

Tradução: Artur Lopes Cardoso
Prefácio: Alice Kaplan
PVP: 18,80 €
Páginas: 184

SINOPSE:
A adaptação gráfica do manuscrito inacabado de Camus conta a história de Jacques Cormery, um menino que teve uma vida semelhante à de Camus. Esta edição impressionante convoca o panorama, os sons e as texturas de uma infância circunscrita pela pobreza e pela morte de um pai, mas redimida pela beleza austera de Argel, pelo amor que Jacques tem à mãe e à avó, e por um professor que transformará a sua visão do mundo.

SOBRE O AUTOR:

Albert Camus. Nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994. Em Portugal, a sua obra tem vindo a ser publicada pela Livros do Brasil (Grupo Porto Editora).



Cristiana Ramos
Escrito por:

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e em roer as unhas. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães, mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir). Fã de Friends, GoT e Big Bang Theory.

Sem comentários:

Enviar um comentário