Babylon

No recém-formado distrito de Shiniki em Tóquio, Zen Seizaki é um diligente promotor público no Ministério Público do Distrito de Tóquio. Atribuído a um caso envolvendo propaganda falsa, Zen, juntamente com o seu oficial assistente, Atsuhiko Fumio, investigam a Japan Supiri, uma empresa farmacêutica que forneceu pesquisas clínicas fabricadas sobre o novo medicamento da empresa.

Ao investigar o arquivo de Shin Inaba, um anestesista ligado ao crime, o caso toma um rumo sombrio, no momento em que Zen encontra uma página manchada com uma mistura de sangue, cabelo e pele, incluindo rabiscos da letra “F” por toda a página. À medida que ele investiga mais profundamente, o caso vai além da imaginação de Zen e torna-se muito complexo, desafiando o seu senso de justiça, as suas morais e o seu conhecimento sobre a verdade.

Este anime teve um começo absolutamente incrível, trazia uma ótima história, ação, personagens. Mas, a partir do episódio 7, acabou por decepcionar-me um pouco devido ao mau desenvolvimento da narrativa. É um daqueles casos em que existia um inimaginável potencial que acabou por ser desperdiçado e mal aproveitado.

Babylon oferece um ponto de vista clássico sobre o debate filosófico do bem contra o mal. No papel, é fácil para nós dizermos e acreditarmos sobre o que é certo e o que é errado, mas  na realidade, muitas vezes acaba por ser muito mais difícil. A vida é muito mais frequentemente pintada sobre tons de cinza do que a preto e branco.

Babylon acaba por ser um anime, psicologicamente cansativo e densamente compacto, incluindo questões como suicídio, questões socio-políticas, corrupção e morte. São implementados temas como uma “Lei do Suicídio”, que acaba por ser um pouco irreal e difícil de aceitar; um retrato super exagerado daquilo que é a política atual e um uso exacerbado de Filosofia.

Como tinha dito, este anime acaba por ter um mau desenvolvimento a partir do 7º episódio, uma vez que põe de lado muitas questões importantes que ficam sem resposta e até que muda o rumo da história quase totalmente, durante a “Segunda” parte do anime. Não obstante, o tema do anime e o seu uso de matérias profundamente psicológicas, acaba por dar um bom número de pontos a seu favor, não diria que é absolutamente necessário que vejam este anime, mas aconselho a ver, nem que seja apenas até ao 7º episódio.

Este artigo pertence ao especial
Capa
6
Babylon
Satisfatório
Ano 2019 Tipo serie Episódios 12
Distribuição por
Estúdio
  • História envolvente
  • Conceito inovador
  • Arte bem conseguida
  • Começo incrível
  • Mau desenvolvimento
  • Um Pouco Complexo
  • Irregularidades na História
Rita Neves
Escrito por: Rita Neves

Então, podem começar por tratar-me por Yumi. Desde muito nova que o mundo geek e a cultura pop eram a minha escapatória da realidade. Comecei o meu amor por cosplay também muito cedo e por isso agora para não é uma opção. Sou uma super fã de história e arqueologia (alguns cosideram-me até obcecada). Uma romantica incurável e uma amante de literatura, por isso a melhor prenda que me poderiam dar era um date com Shakespeare.