Kick-Ass

O livro Kick-Ass é escrito por Mark Millar e desenhado por John Romita Jr.

Dave Lizewski queria ser um super-herói. Não queria ser banqueiro ou cozinhar hambúrgueres ou estudar direito. Queria ser super-herói, e ao contrário de vocês, decidiu que ia tomar o seu destino nas mãos, e seguir o seu sonho! E um fato de mergulho e uma máscara depois, a cidade começou a reparar no seu novo super-herói…

O conceito é bastante bom e Mark Millar escreve uma história de super-heróis divertida, afastando-se das banda desenhadas convencionais do mesmo género. Adorei o facto de que Dave decide tornar-se um super-herói, não porque foi picado por uma aranha radioativa ou algo parecido, mas porque estava a aborrecido e porque não havia nenhum super-herói. E acima de tudo porque quer fama. Esta motivação de Dave para se tornar um super-herói é bastante egoísta mas bastante realista, o que muda as regras do jogo a que estamos habituados, dando uma lufada de ar fresco aos leitores que estejam habituados a ler bandas desenhadas de super-heróis no geral.

A dinâmica entre Hit-Girl e Kick-Ass está muito bem construída e desenvolvida, deixando assim o leitor investido nestas personagens excelentes. Também gostei da parte em que Millar nos mostra o lado realista de ser um super-herói no mundo real, onde há consequências e nem todas as “batalhas” têm um final feliz. Mark Millar faz uma crítica inteligente à sociedade atual, em relação às pessoas que vivem para as redes sociais, e as que procuram atenção e fama.

O ritmo em que a história avança é desenfreado, havendo quase nenhum momento morto, ajudando assim para que a leitura seja cativante. Este livro está cheio de violência gratuita que por estranho que pareça combina bem com o espírito da banda desenhada.

No geral eu não gosto do estilo de arte de John Romita Jr., mas terei que admitir que neste livro as ilustrações são muito boas, tornando-se até bastante apelativa para o leitor. Fiquei bastante surpreendido com a qualidade da arte que Romita Jr. apresenta nestas páginas, encaixando perfeitamente na história que Millar criou. Vale a pena destacar o excelente trabalho do colorista, Dean White, que realça ainda mais a arte de Romita Jr., dando-lhe vida.

Até agora, só gostei mesmo da arte de John Romita Jr. em dois livros: no Daredevil: The Man Without Fear escrito por Frank Miller e no Kick-Ass. Tanto num como no outro, ele afasta-se um bocado do estilo que o tornou famoso (que eu pessoalmente não gosto), e consegue entregar um trabalho sólido, em que realmente torna a leitura bastante mais agradável.

A adaptação cinematográfica é muito semelhante ao livro, mas as motivações do pai de Hit Girl são muito diferentes. Eles mudaram as motivações para funcionar com público de cinema mais convencional.

Kick-Ass é uma banda desenhada muito boa, com um ótimo argumento e uma arte fantástica. Isto é tão bom, senão melhor, que os super-heróis da Marvel e da DC. 

Capa
9
Kick-Ass
Incrível
História de Arte de
Lançamento março de 2019 1/3
Distribuição por
  • Ideia original que proporciona uma história de super-heróis diferente ao que estamos habituados a ler.
  • A arte de John Romita Jr. com as cores de Dean White dá um visual cativante para os olhos do leitor.
Miguel Real
Escrito por: Miguel Real

Full-time geek, apaixonado por banda desenhada e filmes. Apreciador de tudo o que a cultura pop tem para oferecer, excepto animes e mangas(¯\_(ツ)_/¯). Leitor compulsivo de Stephen King, jogador compulsivo de Rainbow Six Siege e viciado em boas séries de televisão. Fã de Breaking Bad, Alan Moore e Led Zeppelin.