Armadilha do Tempo

Há um grande filme de aventura de ficção científica escondido em Armadilha do Tempo (2017). Uma abordagem decididamente contida e económica sobre viagens no tempo, jovens em perigo e medo apocalíptico. Faltou-lhe que um grande estúdio pegasse nele e lhe desse uma dimensão estilo Indiana Jones.

Quando Hopper, um professor de arqueologia do Texas (Andrew Wilson) sai em busca dos seus pais hippies, que desapareceram na década de 1970, enquanto perseguiam a Fonte da Juventude (só os hippies mesmo) e não volta, os seus dedicados professores assistentes, Jackie e Taylor, decidem ir procurá-lo, juntando-se a eles um conjunto de outras personagens típicas de filmes de aventura. Rapidamente na sua procura, encontram uma caverna subterrânea vasta e sinuosa que acreditam poder levá-los até Hopper. No entanto, não estavam à espera que a caverna fosse o lar de um continuum de espaço-tempo único no qual o tempo passa mais devagar lá dentro. Esta é a premissa de Armadilha do Tempo.

O enredo é muito simples: temos um sistema de cavernas que, por alguma razão inexplicada, tem vários níveis de “bolhas” de tempo dentro das quais o tempo opera em diferentes escalas em relação ao mundo exterior. Qualquer pessoa que se aventurar dentro do sistema de cavernas fica “presa” numa linha temporal que passa muito, mas muito, mais devagar em relação ao mundo exterior que segue em frente na escala de tempo “normal”. Tecnicamente, as pessoas podem sair, mas se elas estiveram dentro do sistema de cavernas por qualquer período além de um minuto ou mais, o mundo externo terá mudado irreconhecível quando eles retornarem.

Fascinados, como insetos apanhados no âmbar, ao longo do tempo, humanos de diferentes épocas e diferentes níveis de evolução ficaram “presos” dentro do sistema. Encontramos de tudo, desde homens das cavernas até pessoas do futuro. Há uma cena em particular que retrata uma briga contínua em andamento dentro de uma bolha do tempo especialmente lenta, apresentando e incluindo pessoas de muitas épocas diferentes. Maravilhosamente imaginativo.

Concordo com alguns dos outros críticos que é a escrita e algumas das performances que impedem este thriller de ficção científica de ser verdadeiramente espetacular. A maioria dos diálogos poderia ser melhor, mas eu podia nomear um número consideráveis de filmes muito mais caros do que este que são absolutamente ridículos e não valem a perda de tempo. E sim, existem alguns erros de tempo relativo dentro do filme que o espectador tem que fechar os olhos em nome da licença artística, mas no geral é uma experiência cinematográfica interessante e empolgante de observar.

Embora não seja um blockbuster de verão ou um favorito aos Óscars, este filme low-budget (e às vezes até adolescente) consegue surpreender e ser divertido. É talvez uma das poucas provas de que não ter um orçamento muito grande para fazer um sci-fi não significa imediatamente que o filme resultante tenha que ser impossível assistir.

Capa
7
Armadilha do Tempo
Time Trap
Realização ,
Estreia 19 de Maio de 2017 Duração 01H27M (87 min)
Distribuidor
  • Imaginativo
  • Consegue surpreender
  • Divertido
  • Escrita do argumento
  • Algumas das performances
João Simões
Escrito por: João Simões

Viajante perdido à procura de sentido nas respostas dos outros. O personagem do Forky no Toy Story 4 em plena crise existencial é o meu animal espiritual. Quando ganhar um Óscar agradeço pelo meio à Cris e ao Ed se não me despedirem até lá.