Blade Runner 2049

Eu sei que esta opinião está um pouco atrasada e eu até fui ver o filme na primeira sexta-feira do seu lançamento, mas têm de compreender que um filme como Blade Runner 2049 demora algum tempo a digerir. Não é fácil exprimir toda a nossa ideia do filme logo após a sua visualização, principalmente porque são três horas de puro espetáculo visual. Sabem aquelas cartas abertas que agora andam muito na moda? Podemos dizer que esta sequela é uma carta aberta de amor ao filme de culto de 1982, Blade Runner. Agora vocês, que já o devem ter visto ou lido várias opiniões por essa internet fora, podem perguntar: Mas vale assim tanto a pena? Amigos, apenas tenho uma resposta a essa pergunta: Sim!
A ideia que vos quero deixar aqui é que Blade Runner 2049 é um tremendo espetáculo visual, com um ambiente extremamente bem trabalhado. O peso emocional transparece por cada minuto do filme e somos levados pelo momento da primeira até à ultima cena, tendo sido apenas quebrado pelo intervalo que os Cinemas NOS decidiram manter, quando o realizador pediu que o público tivesse uma experiência completa de duas horas e quarenta e sete minutos.
Dennis Villeneuve não tinha o melhor trabalho nas suas mãos. Pegar num filme de culto de ficção científica, que nem teve assim tanto sucesso inicial, criando uma sequela merecedora do título que suporta. Verdade é que este senhor já tinha mostrado a sua competência como realizador. Apresentou-nos Sicario e também o mais recente Arrival, dois filmes com histórias marcantes e muito bem contadas. Será fácil perceber que apesar de não ser um realizador de grandes palcos, até aos dias de hoje, conseguiu elevar a qualidade de produção de títulos que com toda a certeza irão ficar na história. Pode agora colocar mais um título no seu currículo, porque tal como o primeiro filme ficou e irá sempre ficar para a história do cinema de ficção cientifica, a sua sequela será com certeza considerada por muitos como a melhor sequela de sempre.
Sinceramente é difícil encontrar muitas palavras que descrevam a experiência que tive com este filme. Desde o visual, até à história que nos deixa a pensar durante imenso tempo. É mesmo preciso estar atento, ir com a mente preparada e preparem-se porque este não é um daqueles títulos que vos despeja toda a informação e a vocês bastará olhar. Não, nada disso. Blade Runner 2049 faz muito mais que isso. Pega em todo o espetáculo visual que já o primeiro foi e aprimora-o. Envolve-se e envolve-nos num enredo magnífico, que aliado a uma banda sonora fantástica ajudam a toda uma completa experiência cinematográfica. Se o primeiro filme tinha um ritmo lento, com uma história até certo ponto algo simples e superficial, esta sequela é tudo menos isso. Carregada de bons momentos e com uma excelente intriga, resolvendo assuntos deixados no anterior filme e deixando mais algumas perguntas no ar. No final, penso que cabe a cada um decidir quais as melhores ideias a retirar deste filme e os pensamentos com certeza irão ser diferentes para cada um. Não me vou alongar mais, pois não quero destruir a vossa experiência. Se são fãs, têm mesmo de ir ao cinema, se não conhecem nada deste universo, experimentem. Talvez fiquem fãs. Por aqui aconselhamos imenso.
Capa
9.5
Incrível
Realização
Estreia 5 de outubro de 2017 Duração 163 minutos
Distribuidor
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.