O Lobisomem, Joe Johnston

Durante as semanas do Ciclo dos Horrores tracei um plano na minha lista de filmes para ver nestas Crónicas de uma Estante. Assistir aos filmes que tenho por aqui, que tenham representações modernas de monstros clássicos do cinema. Já fomos até ao submundo de Underworld, vimos os mortos-vivos de Resident Evil, ultrapassámos as múmias mais estranhas em The Mummy e esta semana vamos até ao mundo dos lobisomens no filme de 2010 com o nome O Lobisomem! Um regresso interessante da Universal, apresentando-se como um clássico moderno… Vamos a isso?

O Lobisomem é um filme de Joe Johnston, que conta com guião de Andrew Kevin Walker e David Self. O primeiro é principalmente conhecido por alguns títulos bem conhecidos do cinema como o antigo Jumanji, Jurassic Park 3 ou até Captain America: The First Avenger. Já os guionistas também não ficam atrás com presenças em títulos bem famosos, sendo que Walker foi o responsável por Sleepy Hollow de 1999 e Se7en de 1995, enquanto Self escreveu para Road to Perdition de 2002 e para Thirteen Days de 2000.

Os grandes nomes não ficam apenas na equipa, mas também no grupo de elenco deste filme, onde nomes como Benicio Del Toro, Emily Blunt, Gemma Whelan, Simon Merrells e até Anthony Hopkins fazem parte desta equipa. (Numa nota curiosa, já estivemos ao junto de Simon Merrells na CCPT). É possível perceber que a Universal Pictures não poupou na produção e com 150 milhões de dólares investidos foi uma das grandes do ano. O problema? Bem, os monstros da Universal já há muito que tinham perdido força ou se encontravam noutras aventuras (como o caso da Múmia), por isso é compreensível que o público tenha deixado passar este título como apenas mais um filme de lobisomens.

E, apesar de tudo, é mesmo isso que temos aqui. Neste modelo mais moderno do Lobisomem clássico, podemos encontrar um filme que se perde em alguns aspectos e acaba por não conseguir superar aqueles onde se inspira. Por ser de 2010, onde os efeitos especiais já eram um mundo totalmente diferente, não se compreende algumas das decisões artísticas deste filme, que levam a momentos totalmente destruidores da experiência. O filme tem um ambiente excelente e a sua atmosfera transporta-nos para um lugar clássico e frio. Nesse ponto está muito bem construído e o desempenho do elenco é por si também ele interessante, mas tudo cai mal quando os efeitos especiais não acompanham a narrativa.

Sinto que este filme quer ser um filme moderno, sem realmente o ser, mostrando momentos com um clima perfeito, mas que não se destaca em nenhuma vertente, pelo menos de forma realmente surpreendente. Não acho que seja um filme péssimo, mas julgo que perdeu muito graças aos seus efeitos especiais que parecem ter sido retirados da arca. Talvez a ideia foi mesmo recriar a forma como os efeitos eram tratados nos anos de ouro destes monstros, mas a ideia de que isso poderia resultar numa época em que tínhamos títulos como Avatar, acabou por destronar esta história. Potencial? Claro que sim, este tipo de filmes apresentam sempre um potencial muito interessante, pois são histórias que facilmente podem ser recontadas, mas infelizmente nem sempre são bem tratadas.

Conhecem O Lobisomem? Este é o último filme desta rubrica que chegará ao Ciclo dos Horrores!

Capa
O Lobisomem
The Wolfman
Realização
Estreia 18 de Fevereiro de 2010 Duração 01H59M (119 min)
Distribuidor
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.