The Matrix, dos The Wachowskis

Em 1999 surge nas salas de cinema um dos filmes mais marcantes da cinematografia moderna. Este tem um carinho muito especial por aqui, visto ter sido a partir da sua visualização que me torneio um autêntico fanático pelo mundo cinematográfico. The Matrix é um filme de 1999, escrito e realizado pelos The Wachowski Brothers, que atualmente são as irmãs The Wachowskis. Estas irmãs já trabalharam em várias áreas do entretenimento, desde cinema, a banda desenhada e até mesmo videojogos. A ficção científica e a fantasia estão muito ligados ao seu trabalho, apresentando filmes como Speed Racer, Cloud Atlas e Ascensão de Júpiter (Jupiter Ascending), este último que seria uma trilogia, mas devido aos fracos resultados acabou por ali. Mais recentemente o trabalho das irmãs destacou-se na série Sense8.

Antes de passar ao elenco que fez parte deste filme, temos de referir as empresas que possibilitaram a sua existência. Apesar de não estar creditada, a companhia 3 Arts Entertainment esteve envolvida na produção do primeiro filme da franquia, esta que é conhecida atualmente por trazer séries como a Upload da Amazon Prime Video, ou a nova série de comédia Space Force da Netflix. A Silver Pictures para os mais conhecedores do mundo cinematográfico dispensa quaisquer apresentações, mas para quem não conhece ficam aqui apenas alguns títulos do seu catálogo: V for Vendetta (V de Vingança), Speed Racer, Sherlock Holmes e ainda The Nice Guys (Bons Rapazes). A Groucho Film Partnership é outra das empresas de produção que tem este filme como o seu grande foco. Já a Village Roadshow Pictures é também muito conhecida presenteando o cinema com filmes como o mais recente Joker, ou até a saga Oceans Eleven (Ocean’s Eleven – Façam as Vossas Apostas). Para terminar o principal interveniente desta saga é mesmo a Warner Bros., uma companhia que faz 100 anos já em 2023 e tem no seu reportório um vasto leque de grandes títulos.

The Matrix apresenta-nos Keanu Reeves, que apesar de uma carreira com já quase 15 anos na altura, apenas em 1994 com o seu papel em Speed (Speed – Perigo a Alta Velocidade) começou realmente a chamar à atenção dos estúdios, tendo mesmo assim já participado em Point Break (Ruptura Explosiva) e Bram Stoker’s Dracula (Drácula de Bram Stoker), conseguindo ainda papéis posteriormente em filmes como The Devil’s Advocate (O Advogado do Diabo) e mais recentemente, na saga John Wick. Encaixando com Keanu, temos a belíssima Carrie-Anne Moss, que mais recentemente fez um papel recorrente nas séries da Marvel realizadas pela Netflix, entre Daredevil, Jessica Jones, Iron Fist e ainda marcou presença na série Defenders. Tivemos ainda Laurence Fishburne, que nos traz o marcante personagem Morpheus, assim como Hugo Weaving que tão bem representou o vilão desta história, o Agent Smith. Ainda de referir que a The Oracle, uma personagem com pouca presença, mas de grande importância foi apresentada por Gloria Foster, que faleceu apenas dois anos depois, em 2001.

A proposta original feita em 1996 não contemplava toda a estrutura do filme como conhecemos, mas sim pretendia apresentar o protagonista. Mesmo com tão pequena apresentação, foi o suficiente para que o filme recebesse luz verde e a primeira pessoa pensada e contactada para fazer o papel de Neo foi Will Smith, mas por não ter compreendido o personagem, acabou por recusar e fazer Wild Wild West. Este aspeto de Smith não ter percebido o papel que iria interpretar seria um fator crucial na procura pelo protagonista e restante elenco. Keanu Reeves conta que a equipa de realizadores e criadores desta saga não o permitiram ler o guião, até ler e compreender uma série de livros psicológicos. Além de que todos os membros que pertenciam ao elenco deveriam compreender a história e saber explicá-la. Um trabalho extremo, mas necessário para que a construção de todo este filme terminasse quase perfeita.

Fãs do filme por aí? Quero saber as vossas opiniões.

Capa
The Matrix
Realização
Estreia 25-07-1999 Duração 136 min
Distribuidor
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.