The Matrix Reloaded, dos The Wachowskis

Esta semana continuamos a aventura no universo imaginário dos irmãos Wachowskis, atualmente irmãs e conhecidas como The Wachowskis. Após o lançamento e grande sucesso do primeiro filme começou uma mega produção em Hollywood, maior alguma vez vista e consistia no lançamento de duas sequelas, um videojogo e ainda um conjunto de episódios em anime. Tudo isto iria ser trabalhado numa única produção e é isso que acaba por tornar toda esta aventura numa loucura cinematográfica.

The Matrix Reloaded, ou apenas Matrix Reloaded, foi lançado em 2003, mais precisamente em maio, tendo sido distribuído novamente pela Warner Bros. e contando ainda com a Silver Pictures e a Village Roadshow Pictures na produção do filme. Além destas duas, que já falámos na semana passada no artigo acerca do primeiro filme, esteve também envolvida a companhia NPV Entertainment, que surge em várias produções da Village Roadshow Pictures.

O elenco mantém-se idêntico ao primeiro filme, com a adição de uma série de caras novas, onde está a Jada Pinkett Smith, com o papel de Niobi, uma importante personagem nesta sequela. Contamos também com David Roberts, Shane C. Rodrigo, Neil e Adrian Rayment que nos trazem uns gémeos com “poderes” muito estranhos, Harold Perrineau e até Monica Bellucci faz uma pequena parte neste enredo, entre muitos outros que compõem este novo elenco. Nunca esquecendo claro a presença dos quatro principais do primeiro filme. Neo, Trinity, Morpheus e o Agent Smith estão todos de regresso com as caras que tão bem conhecemos.

O segundo e terceiro filme da saga tiveram a sua produção conjunta, o que leva a que este e o próximo artigo pudessem ter muitas semelhanças, mas vou aqui destacar apenas alguns pontos deste segundo filme que tiveram uma grande importância cinematográfica e acabaram por me ficar sempre na memória. Um deles, e já devem estar a adivinhar, é toda a sequência na autoestrada. Esta sequência carregada de ação, perseguições a alta velocidade, destruição e muito tiroteio é um total espetáculo do grande ecrã, mas como devem calcular não foi algo fácil de concretizar, principalmente devido à localização.

O que muitos podem não saber é que foi construída propositadamente para o filme uma autoestrada de cerca de 2 quilómetros onde tudo foi filmado. Tudo isto após uma equipa correr quase todos os Estados Unidos em busca de uma estrada onde fosse possível fechar durante 10 dias (algo complicado) mas que foi quase conseguido até ao momento em que alguém se lembra: Nós podíamos construir uma autoestrada!. E assim nasce todo este projeto. Ainda sobre esta cena, Carrie-Anne Moss teve vários problemas com o momento em cima da moto, estando mesmo até ao momento de ação em dúvidas se iria ou não concretizar aquele instante. Acabou mesmo por fazer e juntamente com a sua dupla, uma campeã mundial de motociclismo, conseguem apresentar momentos de cortar a respiração.

O nível em efeitos gráficos cresceu exponencialmente neste segundo capítulo, com mais ação, mais combates e ainda maiores momentos de explosões e carros a voar, acabou por ser os efeitos especiais aliados a um conjunto de grandes efeitos práticos, a salvação para que todas as cenas se tornassem reais. Em muitos das sequências onde os efeitos especiais foram utilizados para realizar cenas, doutra forma, impossíveis como é o caso do combate entre Neo e as dezenas de Agent Smith, é possível ver com clareza este excesso de utilização duma tecnologia que ainda não tinha uma grande evolução. Criar caras de forma totalmente realista ainda hoje é estranho, imaginem em 2001/2002. De qualquer forma é um feito tecnológico que vemos aqui e há momentos como os dos irmãos gémeos, que estão muito bem produzidos.

Sou fã do primeiro filme e este segundo é também um favorito. E para vocês? Destes dois quais preferem? Para a semana teremos a conclusão desta trilogia (pelo menos até ao lançamento do já confirmado quarto capítulo)!

Capa
The Matrix Reloaded
Realização
Estreia 23-05-2003 Duração 138 mins
Distribuidor
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.