Divinity Original Sin vira analógico e vem para as mesas de jogo

A saga Divinity Original Sin conta já com duas iterações que são, justamente, consideradas como dos melhores RPG de sempre dos videojogos. A Larian Studios, actualmente a trabalhar no muito aguardado Baldur’s Gate 3, surpreendeu ao anunciar a sua entrada no mundo analógico, com o Kickstarter para Divinity Original Sin: The Board Game.
Divinity Original Sin: The Board Game é um jogo de aventura cooperativo, para até 4 jogadores, no mundo de Rivellon. Os jogadores vão guiar os seus personagens através de uma narrativa em estilo choose your own adventure, que os levará a ter de fazer muitas escolhas impressionantes.
Os jogadores irão ler do Story Book e decidir, como equipa, onde irão e como responderão ao mundo à sua volta. Dependendo dos traits e habilidades dos personagens, podem ter opções únicas disponíveis, em partes específicas da história.
As escolhas que os jogadores fizerem irão direccioná-los a explorar localizações, com múltiplas áreas, que cada membro do grupo pode visitar. Algumas vão ter novos tesouros à espera, enquanto que outras revelarão ter armadilhas ou terminarão em combate.
O combate funciona por rondas, onde jogadores e inimigos usam AP (pontos de ação) para resolver acções no seu turno, como mover, usar itens ou usar habilidades. As habilidades vão sendo adquiridas ao longo do jogo e desencadeiam ataques únicos e poderosos, algumas com efeitos elementais. Sim, as famosas interacções de elementos dos videojogos chegaram também ao jogo de tabuleiro: um jogador pode fazer um monstro ficar molhado para o seu aliado o congelar com gelo ou deixar stunned com electricidade. Estas combinações poderão ser, muitas vezes, a chave táctica para superar os combates mais desafiantes. Contudo, também os inimigos poderão tirar partido dos elementos.
E depois há loot, muito loot! Os jogadores serão recompensados com dinheiro, itens e ingredientes para crafting (sim, o jogo permite fazê-lo), que irão contribuir para a evolução constante dos personagens.
Este é um jogo legacy, mas em que os componentes não ficam marcados, permitindo ser voltado a jogar. Como muito do conteúdo ficará por revelar, fruto das escolhas tomadas, os jogadores poderão querer fazer um novo runthrough, tomando outras escolhas. No final da campanha, através do Chronicle System, os jogadores poderão submeter as suas escolhas resultados online para a Larian e isso impactará o universo de Rivellon, em futuros jogos. Se, por exemplo, a maioria escolheu queimar uma estalagem, num futuro jogo essa estalagem já não existirá.
O jogo é massivo, com 847 cartas, 270 tokens e 16 dados só na versão base de Kickstarter. O número é ainda mais elevado nas versões premium. É notório um esforço significativo para capturar toda a essência dos videojogos. Os fans de Divinity Original Sin reconhecerão de imediato personagens, habilidades e mecânicas.
Divinity Original Sin: The Board Game oferece muito aos jogadores. Fica no ar a dúvida se, na ânsia de capturar toda a complexidade do jogo digital, não se tornará demasiado minucioso e complexo, para oferecer uma boa experiência de jogo. Contudo, se esta preocupação não tiver fundamento, podemos estar aqui perante um dos grandes jogos que aí vêm, com muitos elementos de RPG e um combate táctico rico e estimulante. Uma coisa é certa, para os fãs da saga, isto são grandes notícias e é um projecto a acompanhar.
Divinity Original Sin: The Board Game está no Kickstarter até 20 de Dezembro de 2019, pelo que não deixes passar a data, se quiseres adquiri-lo.
Rui Martins
Escrito por: Rui Martins

Designer Gráfico de profissão, actor e fotógrafo a complementar, mas mesmo muito geek nos tempos livres. Nos meus tempos geek, é pelos Jogos de Tabuleiro que sou maior entusiasta, mas também me entrego aos videojogos e cinema. Viciado em viagens, dou uma escapadela sempre que posso. E se não estiver a viajar... estou a jogar.