Jornalista Manuela Sousa Rama regressa aos anos da censura

A CULPA FOI DA REVOLUÇÃO
 

Inspirado no tempo em que tudo o que se escrevia era vigiado pela polícia do regime, chega esta semana às livrarias o novo romance da jornalista Manuela Sousa Rama. Baseado em acontecimentos históricos documentados, o livro centra-se na história de uma mulher, de uma família e de um país que vive uma conturbada época revolucionária.

Passaram-se já mais de 40 anos desde o fim da ditadura, mas é impossível esquecer, garante Manuela Sousa Rama. Jornalista à época, a autora relembra que a censura à imprensa e aos jornalistas era diária, exigindo-lhes constantemente criatividade e subtileza para evitar os riscos do famoso lápis azul.
É sobre esta ausência de liberdade, não apenas nas redações como noutras esferas culturais, mas sobretudo nos vivências e expectativas de um país, que se centra o romance A Culpa Foi da Revolução. Manuela Sousa Rama parte da história de uma mulher e da sua família para recuar aos meses anteriores à Revolução de Abril e ao conturbado período político e social sentido de norte a sul do país, aqui retratado a partir do mundo dos jornais.
Pegando na sua experiência enquanto jornalista, a autora desenrola nestas páginas o processo revolucionário em curso e acompanha-o até ao fim técnico da Revolução, em 1982, com a extinção do Conselho de Revolução.
Paralelamente, Manuela Sousa Rama debruça-se também sobre o reflexo daquele na imprensa portuguesa, com especial incidência numa das maiores empresas jornalísticas do país (a Sociedade Nacional de Tipografia) para retratar, com rigor e sensibilidade, um dos períodos mais castradores do século XX português.
SOBRE A AUTORA
De formação jurídica, Manuela de Sousa Rama cedo enveredou pelo mundo da escrita. Começou na imprensa, mas depressa descobriu o jornalismo televisivo. Na RTP, fez e apresentou vários programas. Atualmente é atriz na Companhia Maior, em residência no Centro Cultural de Belém.
Cristiana Ramos
Escrito por: Cristiana Ramos

Dividida entre o mundo da Ciência e o mundo Geek. Viciada em livros e viagens. Espectadora assídua no cinema, especialmente se aparecer um certo Deus com cabelos loiros. Adora filmes de terror. Louca por cães, mas eles são tão fofos! Romântica incurável (apesar de não admitir).