Ark Nova – Será que um Zoo só tem animais?
Publicado a 21 Ago, 2022

Hoje trazemos um dos hits do momento: Ark Nova. Concebido por um novo designer – Mathias Wigge – Ark Nova rapidamente conquistou os corações e as mesas do mundo inteiro devido não só ao seu tema, mas também às mecânicas que introduz no seu jogo. Ark Nova tem um pouco de tudo e muito de algumas coisas, o que faz com que este jogo médio/pesado não seja para todos os jogadores ou para qualquer altura.

Em Ark Nova, os jogadores irão competir para ver quem é que consegue construir um jardim zoológico mais sustentável, rentável e apelativo. Para isso, terão de combinar diversas mecânicas do jogo, para que possam elevar a fasquia dos seus zoos e melhorá-los como nenhum outro. Em primeiro lugar, poderão fazê-lo através das cartas. Existem imensas cartas de animais, projetos e assessores dos nossos jardins, sendo certo que nada se pode realizar sem que as mesmas sejam jogadas. Todas as cartas e elementos do jogo são acompanhadas por uma vasta lista de ícones, ícones esses que, através de uma simbologia especifica, ajudam o jogador a fazer crescer a nossa sinergia entre as cartas, criando combos entre os diversos animais, projetos ou assessores. Basicamente, teremos de criar um sistema estratégico de cartas – e não tácito – para que o nosso motor seja bem sucedido.

Depois, gostaria de fazer uma pequena menção ao modo como cada turno funciona. Em Ark Nova, não existem turnos e rondas. Cada jogador joga na sua vez e quando o momento chega, é feita uma pausa, onde os jogadores terão oportunidade de tirar proveito dos investimentos que fizeram e, claro, da sua estratégia. Cada vez que um jogador inicia a sua vez, o jogador terá de selecionar uma de seis opções: escolher uma das cinco cartas de ação que tem à sua disposição – que podem ser encontradas no fundo do tabuleiro individual de cada jogador – ou pode selecionar uma delas para ganhar outro benefício (ou seja, não realiza a ação da carta, mas ganha X-token). A magia desta mecânica é que toda a gente tem as mesmas cartas de ações e, parte de cada um, jogar para aquilo que acha que é mais vantajoso para si.

Estas ações são: ação de construir; ação de associação; ação de patrocínio; ação de cartas e ação de animais. Todas elas são ação bastante simples de perceber sendo que a ação de construir, animais e de cartas são as mais simples de todas: colocar uma infraestrutura nova; colocar um animal novo e ir buscar mais cartas. As duas mais difíceis são as ações de associação e de patrocínio. As ações de associação têm que ver com um tabuleiro acessório (o tabuleiro de associação) que contem vários locais de colocação de trabalhadores, com várias opções dentro de cada uma delas, cabendo ao jogador selecionar uma delas dentro do nível em que a carta fora selecionada no tabuleiro principal, ou seja, se a carta estava na posição quatro, o jogador não pode selecionar a opção da casa 5. O mesmo não pode acontecer se um jogador já tiver selecionado e a casa estiver ocupada com outros trabalhadores. Só assim não acontece quando o novo jogador joga mais trabalhadores do que aqueles que já estão nessa casa (coloca dois em vez de um).

A ação de patrocínio serve para jogar uma das cartas azuis. Podem ser projetos ou especialistas para ajudar o nosso jardim e estão sempre conotadas a um número que se situa no canto superior esquerdo da carta. Este número equivale ao poder da carta de ação, ou seja, se selecionarmos a carta de patrocínio na casa quatro, podemos jogar uma carta azul até ao nível quatro. 

Todas as nossas cartas de ação podem ser melhoradas para o nível dois, garantindo mais poderes aos jogadores cada vez que as cartas sejam jogadas. No entanto, durante o jogo, apenas teremos quatro oportunidades para evoluir as cinco cartas que temos! Dito isto, cuidado com as cartas que desenvolvem, visto que não o podem fazer a todas.

Devo ainda referir as três zonas mais importantes do jogo: a linha da reputação, a linha da conservação e a linha da atração. Estas três zonas são as linhas de desenvolvimento dos nossos jardins, ou seja, para que o nosso jardim seja bem sucedido, todas estas linhas devem estar bem desenvolvidas também. Aliás, a única forma de conseguir terminar o jogo é se a linha da atração e a da conservação se juntarem ou ultrapassarem!

Veredito

Ark Nova é um mundo. Tem imenso conteúdo, imensas cartas e imensa simbologia. Mas nem tudo éum mar de rosas. O maior e principal ponto negativo deste jogo, na minha opinião, é o tempo. O primeiro jogo que fizemos durou três horas e meia e não vejo este número a reduzir assim tão rápido. É um jogo muito grande, com imensa coisa para fazer e, em alguns momentos, parecia que não tínhamos nada para fazer andar o nosso motor. O segundo e talvez muito relacionado com o primeiro é a questão estratégica versus a questão tática. Em Ark Nova, os jogadores precisam de saber se estão a escolher a melhor carta para aquela situação ou se estão a optar pela melhor decisão naquela jogada ou não. Se não o fizerem, arriscam-se a perder tempo e recursos em decisões que não eram assim tão vantajosas. Por fim, é um jogo pesado. Seja em questões de tampo, seja pela questão estratégica do jogo.

Quanto aos pontos positivos: rejogabilidade. Nunca terão um jogo igual com esta pérola. Existe muito conteúdo para explorar, muitas formas de ganhar pontos e formas de criar zoos. O grafismo do jogo. Muita gente não gosta de ver imagens fotográficas nas suas cartas de jogo, eu voto no sentido oposto. Não vejo qualquer problema nesse tipo de grafismo e abordagem, principalmente num jogo tão ligado ao tema da ciência e da vida como é este jogo. Os componentes de jogo. Os componentes são de qualidade, tirando os tabuleiros individuais, visto que são apenas uma folha lisa.

Dito isto, não posso abandonar-vos sem abordar a típica discussão: então e o Terraforming Mars? Será melhor ou pior? Bem, depende. Um grande ponto a favor do TM é que o jogo é mais rápido. Existem várias opções dentro de cada turno de jogador, mas as ações em si são mais rápidas e simples: jogar uma carta; ativar uma ação de uma carta azul; realizar um projeto standard, entre outras. Além disso, depois do Prelude, o TM ficou muito mais rápido no início de jogo. Sinceramente, é isso que falta no Ark Nova. Precisamos de uma forma mais rápida de iniciar o jogo e de uma forma de fazer acelerar o jogo. Caso contrário, pode tornar-se maçante.

Por outro lado, Ark Nova tem uma rejogabilidade e dinâmica ímpares. Não consigo deixar de fazer enfase ao facto deste jogo ser enorme em termos de conteúdo, opções e estratégias. TM também pode ser assim considerado, mas precisa de outras expansões para chegar aos pés de Ark Nova neste sentido, enquanto este jogo é apenas o base! Nem imagino se forem adicionadas expansões!

Para já, tanto Ark Nova com TM têm um lugar cativo na minha coleção. São dois jogos excelentes, com imenso conteúdo que , de certeza, não vou conseguir explorar na sua plenitude, mas que vou adorar cada minuto de jogo! 

Esta análise foi possível com o apoio da Feuerland Spiele!
Ark Nova
Muito Bom
Criador:
Jogadores: 1-4 Duração: 01H30M (90-150 min min)
Lançamento: 2021
Temática:
Distribuição:
8
  • Positivo
  • Imenso conteúdo na caixa. O suficiente para nunca termos o mesmo jogo;
  • Imensas estratégias para explorar;
  • Arte e componentes do jogo do melhor!
  • Negativo
  • Tabuleiro de jogador são simples folhas.
  • Jogo um pouco demorado;
  • Problemas com paralisação de análise.
Escrito por:
Joel Henriques
A crescer com o Pokémon desde os cinco anos, apresento-me como um amante incurável do mundo dos videojogos e jogos de tabuleiro. Tenho como objetivo principal, em cada artigo que publico, escrever de forma a transmitir uma opinião simples, mas completa, para que todo o tipo de jogadores sinta que seja como se estivesse, ele próprio, a jogar. Acima de tudo, divirtam-se!