Butterfly Beast – Volume 1
Publicado a 27 Nov, 2022

Butterfly Beast é um mangá de dois volumes da autoria de Yuka Nagate e que no momento está a ser publicado em Portugal pela editora A Seita C.R.L com o selo editorial, Ikigari.

No primeiro volume, que foi lançado recentemente, conhecemos os personagens principais e a estória em si. Esta traz-nos uma personagem bem feminina, que usa do seu poder de sedução para conseguir os seus propósitos.

A trama passa-se no ano de 1635, após o fim da guerra civil que levou à queda dos shinobis. Sendo assim, aqueles que não tivessem sido escolhidos para integrarem a guarda imperial, tinham de deixar a sua vida de shinobi de lado e tentar integrarem-se na comunidade, a terem trabalhos comuns, para assim existir a tão desejada paz. No entanto, sempre tinham aqueles que não aceitavam tal condição, os quais eram chamados por “shinobis errantes” e os quais a nossa protagonista, a Ouchou, tinha de eliminar.

A nossa protagonista é uma assassina profissional (e igualmente uma shinobi) que se disfarça de prostituta para assim conseguir os seus propósitos e não levantar suspeitas. Mas ela não atua sozinha. Com ela temos Raizou, o informante, aquele que a informa da existência de possíveis shinobis errantes e que a ajuda sempre que possível na sua missão.

É uma leitura bastante fluída, com poucos capítulos, que estão divididos entre si por uma folha totalmente preta, e nos quais podemos perceber a trama e os personagens. Só houve um aspeto que achei repetitivo, que foi o facto de em cada início de capítulo estar sempre a referir a mesma coisa, como se a autora quisesse estar sempre a salientar o tema principal da trama. Contudo, por outro lado, achei interessante alguns flashbacks e analepses a meio da estória. Este aspeto faz entender um pouco sobre algo que aconteceu no passado, bem como sobre o que levou a que algo estivesse a ocorrer no presente.

Quanto à sua arte, à primeira vista esta prende o nosso olhar por ser mais madura, marcante  e dada ao pormenor. Não fosse este mangá inapropriado para menores, uma vez que, para além da arte, possui violência e cenas de teor sexual. E por falar em teor sexual…adoro as ilustrações a cores que estão por trás da capa e da contracapa. Representam a Ouchou no seu melhor. A seduzir qualquer um com a sua beleza e sensualidade.

Uma das ilustrações a cores

Sendo assim, quanto à nossa protagonista, senti que ela é uma mulher esperta e sabe bem qual a sua missão, fazendo de tudo para que esta seja bem sucedida. E quando digo tudo, é tudo. Ela chega a “matar” qualquer tipo de sentimento que possa a vir a ter com a vítima. O Joutai é a prova disso.

Ouchou e Joutai

Na era shinobi, ele foi o aprendiz da Ouchou e agora, adulto, ele tem uma relação bem mais íntima com ela. Só que eles, com o passar do tempo, seguiram caminhos completamente diferentes, sendo essa mesma diferença o que acabou por os “separar”. Este momento, o da suposta separação, foi o que mais me emocionou e no qual podemos ver uma Ouchou mais sentimental, uma vez que ela não é muito de exteriorizar as suas emoções.

Por fim, quanto ao final do volume, este termina em suspense, com aquele gostinho de “quero ver o que vai acontecer a seguir”. Principalmente com a protagonista. Houve algumas atitudes da parte dela que me fizeram criar uma teoria em relação ao que lhe vai acontecer, mas por enquanto aguardo ansiosamente pelo lançamento do próximo volume. Só ele será capaz de confirmar esta minha teoria.

Até lá…leiam o mangá e deixem-se envolver por esta hipnotizante trama!

Butterfly Beast
Chôjun Gitan
 
Bom
História:
Lançamento: 7 de Outubro de 2022
Distribuição:
7.5
Escrito por:
Diana Quintas
Sou uma pessoa que teve o seu primeiro contacto com o mundo geek desde 2011 e desde então o encanto não se quebrou. Adoro ler livros de romance, fantasia e sobrenatural e mangás, bem como ver animes (por temporada). Gosto um pouco de todos os géneros, menos o Terror/Horror. É raro ir ao cinema, mas não dispenso um bom filme em casa. Escrevo fanfics e histórias originais desde 2010 e faço cosplay desde 2012. Adoro cantar e tenho formação em História da Arte. Para além de tudo isto, ainda toco guitarra clássica (viola) e flauta e faço origami nas horas vagas. Como podem ver, sou uma mulher dos sete ofícios!