Dark T3

A primeira série original em alemão da Netflix fala sobre física quântica, viagens no tempo e paradoxos em universos paralelos, oferecendo uma série de ficção cientifica nunca antes vista em televisão, quanto muito em serviços de streaming. Com a sua terceira temporada, Dark prova o seu valor uma última vez. Por si só, a terceira temporada de Dark parece muito complexa, confusa e com um ritmo estranho para ser considerada uma boa temporada de televisão. No entanto, dentro do contexto das duas primeiras temporadas, pode ser uma das melhores temporadas finais da história da televisão de ficção científica.

Nas duas primeiras temporadas, foi revelado que Jonas e Martha, a âncora amorosa da série, são tecnicamente tia e sobrinho por meio de brincadeiras de viagem no tempo, e com esta nova temporada percebemos que as implicações disto estão de facto na base de todos os problemas em Winden. Esta temporada de Dark começa exactamente onde a anterior parou, com a Martha do universo paralelo e Jonas a viajar para o mundo alternativo, que é explorado em profundidade. É um mundo paralelo estereotipado: tudo mudou, mas tudo permanece o mesmo. Não é algo deslocado ou pensado apenas para a terceira temporada. De fato, o mundo do espelho foi prenunciado desde o início nos misteriosos títulos de abertura simétricos de Dark. A série não se limita apenas ao mundo dos espelhos, é claro. De volta ao mundo de Jonas, o apocalipse de 27 de junho de 2020 abalou os moradores de Winden, e os personagens que conhecemos nas duas primeiras temporadas estão espalhados por três séculos. Cada subplot é importante, desconcertante, necessário e confuso de uma forma brilhante e viciante.

Dark tinha uma missão difícil ao propor desvendar todos os mistérios da viagem no tempo das duas primeiras temporadas em oito episódios. Felizmente, a terceira temporada consegue tirar uma conclusão satisfatória através de algumas reviravoltas inteligentes. Há mais respostas do que perguntas no final, o que conta como um sucesso para um programa com um enredo como o de Dark. Após o final do último episódio, consigo imaginar esta história a repetir-se infinitamente pelos pequenos ecrãs durante anos, sempre à procura de novos detalhes.

Esta temporada é a prova de que é possível construir uma série com pés e cabeça, pensada desde o início para ter princípio, meio e fim e sem se deixar seduzir por audiências e tentar prolongar o que não deve ser prolongado. Mas uma vez, Dark fez o que Dark faz melhor: um enredo lento e deliberado que leva a reviravoltas épicas. Todo o trabalho de amarrar pontas soltas leva a um final que parece definitivo e completo, mantendo o tom misterioso que os fãs esperam.

Se Dark não é já uma série de culto, não deve faltar muito. Perfeita para se escreverem centenas de teorias, para rever cada episódio dezenas de vezes e encontrar novos detalhes que nos abrem os olhos para novas conexões que ainda não tínhamos visto. Dark é absolutamente insana. As complexidades da narrativa do programa, juntamente com um ritmo absolutamente alucinante, fazem de Dark um dos melhores programas de ficção científica da história da televisão. Agora, com a temporada final, parecem que se amarram todos os nós da história num final totalmente imprevisível sem deixar de ser satisfatório.

Capa
9.5
Dark
Incrível
Premiere 1 de dezembro de 2017 Finale 27 de junho de 2020
Temporada 3
Distribuição por
  • Ritmo absolutamente alucinante
  • Uma dos melhores série de ficção científica
  • Final totalmente imprevisível
  • Mantem o tom misterioso
  • Enredo lento e deliberado que leva a reviravoltas épicas
  • Complexidades da narrativa
João Simões
Escrito por: João Simões

Viajante perdido à procura de sentido nas respostas dos outros. O personagem do Forky no Toy Story 4 em plena crise existencial é o meu animal espiritual. Quando ganhar um Óscar agradeço pelo meio à Cris e ao Ed se não me despedirem até lá.