Simplesmente Cosplay 6 – Como poupar tempo

Não há dúvidas que o tempo é um dos recursos mais importantes em qualquer projecto e isso inclui a criação de fatos e personagens para cosplay. Como “tempo é dinheiro”, irei dedicar este artigo precisamente sobre esse assunto e irei dar umas dicas para minimizar o desperdício dessa preciosidade.

Como sempre, é de notar que este artigo é escrito com base nas minhas experiências e, como o mundo do cosplay é vasto e cheio de variedade, outros cosplayers poderão ter pontos de vista diferentes. Além disso, tal como outras lições importantes como “cuidem uns dos outros”, “não entrem em carrinhas de estranhos que oferecem doces” e “cereais por cima do leite”, estas lições poderão ser aplicáveis fora do âmbito do cosplay.

Miguel Ribeiro (@migs_cosplay_props) como Cable dos filmes Deadpool 2 e Once Upon a Deadpool. Foto de Tiago Thedim (@tiagothedim).

O Plano

Sou do tipo de pessoa que compra uma torradeira e não lê o manual, admito. Não é só preguiça, é gosto pela experimentação (digo eu, mentindo a mim mesmo). Da mesma forma, quando mergulhei no cosplay, também não li as instruções e acabei por reinventar coisas que já existiam. Por outras palavras, perdi tempo porque não fiz o trabalho-de-casa. Simplesmente, pus mãos à obra sem planear ou preparar.

Assim, uma das melhores lições que aprendi é que o primeiro passo deve ser investigar, perguntar e planear devidamente.

Este tópico é bastante complexo, pelo que irei dedicar um artigo futuro só a isto. Não há uma forma correcta de planear, visto que depende muito da pessoa e da forma como cada um se organiza. O mais importante aqui é ter uma visão clara (ou tão clara quanto possível) de tudo o que será necessário para atingir o objectivo.

Ao criar o plano, não só vemos mais claramente o caminho à nossa frente, o que nos irá poupar tempo, como podemos antecipar as dificuldades que iremos encontrar. Iniciar um projecto sem um plano é como mergulhar numa piscina sem ver quanta água tem ou quão profunda é, que é como quem diz: ficamos entregues à sorte.

Os Pés na Terra

Muito bem, tenho o plano feito e olhem só! Há um evento no próximo fim-de-semana! (Cosplayers veteranos sabem onde vou com esta conversa…)

“Será que dá tempo?”, pergunto eu. Segundo o plano, deverei precisar de cerca de 100 horas, já com margem para imprevistos, mas está tudo bem, porque faltam 5 dias, o que me dá exactamente 120 horas.

Como deve ser óbvio, esta matemática não bate certo, porque parte do princípio que um dia tem 24 horas. Bem, um dia tem 24 horas, mas parte dessas 24 horas são noite e nem todo esse tempo é útil. Temos que dormir, comer, descansar, estar com a família e amigos, entre outras necessidades.

“Bah, eu sou machão rijo, meto uns Red Bulls para dentro e faço isto num piscar de olhos!”, penso eu.

Em primeiro lugar, enquanto não formos patrocinados pela Red Bull, Red Bull é veneno e dá cabo do coração (e outras entranhas). Em segundo lugar, não é uma questão de ter tintins grandes ou não. A questão é que a pressa é inimiga da perfeição. Podemos sacrificar a nossa saúde física e mental, tempo e dinheiro e ter algo feito a tempo do tal evento, mas o mais provável é acabarmos por passar o evento a dormir e acordarmos com um trabalho de qualidade inferior àquela de que somos verdadeiramente capazes, possivelmente com partes que precisam de ser refeitas ou melhoradas. Assim, se considerarmos o projecto como terminado não no dia do evento, mas no dia em que estamos satisfeitos com a qualidade do nosso fato, apressar pode levar a que demoremos mais tempo.

O Relógio

O tópico anterior não significa que não devemos olhar para o relógio. Ter uma noção do tempo que estamos a despender nas várias partes do nosso projecto ajudará a estimar melhor no futuro, bem como a ter uma noção do nosso progresso.

É bom ter prazos (realistas) para os projectos não ficarem a um canto, esquecidos… Tristes, sós e abandonados… Gelados… ♪ Gela-a-ados! ♪

Calypso (@calypsoinlustris) como Sakura de Card Captor Sakura. Foto de Sofia Isabel (@sofiacheu) e Ichigo Shots (@ichigo_shots).

As Ferramentas

Ao criar fatos para cosplay é comum investigar e aprender habilidades muito variadas, desde costura a metalurgia. Por vezes, precisamos de fugir apenas brevemente da nossa área de conforto para fazer algo que nunca fizemos antes e, para isso, podemos arranjar ferramentas baratas que talvez não durem muito. No entanto, se prevemos usá-las durante bastante tempo e para trabalhos extensivos, poderá ser melhor investir em algo não só mais duradouro, mas também mais eficiente.

A Área de Trabalho

Esta é uma das melhores dicas que posso dar, porque apesar de simples tem um impacto enorme. Fica o aviso, nem todos vão gostar dela: é organização. Não estou a falar apenas antes e depois do trabalho, mas também durante. A técnica de manter a área de trabalho limpa e organizada é usada desde mestres cozinheiros a programadores.

À primeira vista parece ser perda de tempo e, inicialmente, o custo é grande, mas à medida que nos habituamos, tornamos nos mais rápidos e os benefícios são claros: Não temos que andar à procura daquela coisa que “eu ia jurar que estava aqui algures”, não derramamos aquela lata de tinta que não devia estar acolá e mantemos nos mais focados naquilo que estamos a fazer.

Por fim, convém manter as ferramentas. Ignorar a manutenção das ferramentas pode ter resultados catastróficos.

As Prioridades

Quantas vezes dei por mim “só a terminar isto” quando já estava cheio de fome, de sede, de sono, quase às escuras no exterior, triste, chateado ou pior, com uma enorme vontade de fazer chichi? Vezes suficientes para aprender que nessas condições a probabilidade de ter acidentes ou cometer erros é muito maior.

Além de poder ser perigoso, dependendo do que estamos a fazer, poderá levar-nos a perder muito tempo. Seja por uma má decisão tomada à pressa ou um movimento descuidado devido ao cansaço, basta um segundo para nos fazer perder horas.

Portanto, fazer pausas e parar quando o corpo pede pode fazer muita diferença. Da mesma forma, convém parar quando algo não está a funcionar e sentimos que estamos a ficar frustrados.

Não posso deixar de sublinhar isto: Parar não é perder tempo, é uma necessidade e um investimento.

Sara Parker (@nerdishcosplay) como Lagertha da série Vikings. Se quiserem mais informações, ela tem um ebook sobre como fazer este fato. Foto de Cos Pix Creation (@cospixcreation).

A Torradeira

Ainda no tópico de evitar erros, danos e ferimentos, ler o manual da tal torradeira pode fazer toda a diferença. Sim, operar uma torradeira deve ser relativamente simples e os manuais tendem a ser excessivamente absurdos por questões legais, mas volta e meia têm informações úteis como “não espetar facas dentro da torradeira enquanto está ligada à corrente, nem mesmo para tirar aquele filho-da-mãe daquele pedaço de broa que não quer sair por nada” que as pessoas tendem a ignorar até terem que raspar borracha queimada da bancada da cozinha enquanto sentem o doce cheiro do seu próprio bacon.

Seja uma torradeira ou uma ferramenta mais pesada (berbequim, Dremel, máquina de costura, entre outros) ou mesmo químicos (tintas, vernizes, por aí fora), é importante ter conhecimento dos processos e técnicas que vamos usar e da forma correcta de manejar as ferramentas.

Como é óbvio, devemos ter todos os cuidados para salvaguardar a nossa saúde e integridade física, quanto mais não seja porque um dói-dói nos faz perder tempo. Além disso, saber usar a torradeira de forma apropriada faz a diferença entre ter um pequeno-almoço e ter carvão, que como sabemos, pode atrasar as manhãs.

 

Concluindo, seja hobby ou profissão, o nosso bem-estar vem sempre em primeiro lugar, porque apenas estando no nosso melhor poderemos dar o nosso melhor. Aprender com outros pode ser mais entediante que lançarmos nos à aventura, mas se é bom aprender com os erros, é bem melhor aprender com os erros dos outros.

Mantenham-se seguros e divirtam-se nesses projectos, porque se não se estiverem a divertir, então sim, é uma perda de tempo!

Avatar
Escrito por: Pedro Cruz

"Spawned" em Aveiro no fim do início da década de 90, apreciador de amostras de imaginação e criatividade, artesão de coisas, mestre da fina e ancestral arte da procrastinação e... por hoje já chega. Acabo isto amanhã...