Battletoads

Xbox One

Logo no início da década de noventa, a Rare, uma companhia em plena ascensão, desenvolveu um jogo único na sua coleção de franquias. Um grupo de sapos tresloucados e mutantes envolvem-se numa aventura completamente louca e distinta de tudo o que já se tinha jogado até à altura. Tantos anos depois, estes carismáticos personagens estão de volta. Desenvolvido pela Rare, que agora pertence ao grupo da Xbox Game Studios, e com o apoio da equipa dos estúdios Dlala consegue-se assim dar uma nova vida a estes famosos sapos. Mais importante do que qualquer coisa descrita aqui é o facto de finalmente poder ver a Rare a criar conteúdo original e tão bom como a sua história mais antiga.

Desde a compra por parte da Microsoft, a companhia transformou-se imenso e está longe de ser aqui que muitos de nós se lembra. A Rare dos anos 90 era irreverente, sempre a experimentar coisas novas e a moldar a indústria em questões que ainda hoje são utilizadas nos videojogos. Criar a primeira grande experiência multijogador num jogo de tiros em primeira pessoa, ou desenvolver um personagem que de fofo apenas tinha o seu design, são apenas algumas das questões que esta companhia tão bem se apresentou na indústria. Os anos 2000 e 2010 não foram os melhores, com desenvolvimentos novos que ficaram aquém do esperado pelos fãs e agora com este novo título, com esta nova versão de Battletoads podemos finalmente dizer: Bem-vinda de volta Rare!

Como já podem estar a adivinhar, estou extremamente feliz com o resultado deste novo jogo. Já o recebi há alguns dias e tenho estado a explorar tudo o que podia, aproveitando cada pedacinho deste novo jogo. Deixem-me começar pelo que mais se destaque logo à partida: o aspeto gráfico. Neste campo o jogo, apresenta-se como um autentico desenho animado 2D, com um aspeto dentro do conhecido pelos miúdos de hoje em dia, devido à animação digital e vetorial atual. Personagens e cenários altamente exagerados e coloridos, carregados de elementos que preenchem todos os diferentes ambientes que nos são apresentados. Ainda dentro deste campo, deixem-me referir que as cores contrastam tão bem com o conteúdo mais adulto deste jogo. Ouvir personagens a expressarem-se de forma revoltante, com os típicos avisos sonoros, ou com o dedo do meio levantado, mas com aquela censura típica por cima. Momentos como estes tornam tudo mais divertido e mágico.

Outro ponto muito importante para um jogo dos Battletoads é a sua jogabilidade. Este é um pequeno misto de emoções, principalmente quando aliamos este assunto à dificuldade apresentada. Deixem-me começar por aqui, esta é uma franquia conhecida pela sua dificuldade e aqui não é diferente. O modo de dificuldade intermédio pode por várias vezes frustrar alguns jogadores, não é extremamente difícil, mas em certos momentos notei que os controlos não eram precisos o suficiente para poder avançar daquele ponto. Muitas vezes, senti que não teria de regressar ao último checkpoint se o comando executado tivesse sido milimetricamente realizado. Não tenho o material técnico para saber exatamente o que ali se passa no que toca aos comandos, mas nem sempre as coisas parecem certas. As sequências de ação, onde dizimamos inimigos atrás de inimigos serão talvez as mais certeiras neste ponto e não tive nenhuns problemas.

Quero também refletir um pouco sobre o som. Quanto à música, nada a dizer. Já as vozes dos nossos heróis ou dos seus inimigos, companheiros, ou qualquer outra personagem nem sempre parece bater certo. Os trabalhos de voz nem sempre encaixam de forma perfeita nas personagens, apesar de ser essa a ideia, mas aqui nem foi esse o ponto que me deixou mais confuso, mas sim a forma como os níveis nem sempre pareciam completamente certos. É interessante que há alguns pormenores neste jogo que ao mesmo tempo estão perto do excelente, mas também nem sempre parecem bater certo.

Battletoads é um jogo extremamente divertido e, independentemente dos problemas que encontrei no jogo, foi uma experiência totalmente agradável. Não posso deixar de falar do facto de ser possível jogar de forma cooperativa, pois este é um jogo onde os três personagens principais podem ser controláveis por três pessoas. O jogo é uma grande experiência a solo, mas torna-se ainda mais divertido quando entregamos o comando de segundo jogador a alguém que esteja connosco. Posso contar a experiência de multijogador local que tive e mostrou-me que ainda este estilo de couch co-op ainda pode ser tão importante.

O meu irmão mais novo desafiou-me a fazer umas partidas de Fall Guys, o jogo do momento nas plataformas sociais, mas devido a uma atualização na PlayStation 4 e ao serviço lento de internet que temos por aqui, tínhamos meia hora para queimar, então lembrei-me de lhe apresentar Battletoads. Depois de uma divertida partida durante cerca de 40 minutos fomos ao Fall Guys e 20 minutos depois qual é o meu espanto quando ele próprio diz: Vamos regressar ao dos sapos. Foram mais 2 horas extremamente divertidas e de grandes momentos. Com muita frustração à mistura por nos deixar-mos morrer das formas mais idiotas, mas que tornaram esta sessão ainda mais única.

Battletoads é exatamente isto. Excelente para roubar umas gargalhadas quando tivermos com amigos. Torna-se tão divertido que acabamos por esquecer um ou outro problema que possam aparecer. Os níveis de dificuldade são os ideias para os fãs mais exigentes e que querem uma experiência mais próxima daquela que conhecem no jogo original, não esquecendo que atualmente os jogadores já não estão tão habituados a esses títulos extremamente difíceis e quase injustos. Por isso, o jogo apresenta dois níveis menos desafiantes, mas que poderão ser extremamente divertidos para muitos. Se ainda não o fizeram, façam download deste jogo através do Game Pass, ou se não têm este serviço podem já adquirir na store, pois acreditem que não se vão arrepender.

Capa
8.5
Battletoads
Muito Bom
Data de Lançamento 20 de agosto de 2020
Editado por Distribuido por
Lançado em
  • Estilo gráfico exagerado e muito bem aproveitado em todo o conteúdo do jogo
  • Divertido a solo e em modo cooperativo
  • Dificuldade dentro do conhecido dos fãs desta franquia
  • História no ponto e com momentos muito divertidos
  • Dificuldade pode fazer fugir alguns jogadores
  • Vozes e controlo do personagem nem sempre parecem estar no ponto
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.