Heroes of Hammerwatch

Nintendo Switch

Hoje venho aqui para vos escrever um pouco sobre o jogo Heroes of Hammerwatch e antes de avançar gostaria de perguntar quem é que por aí conhecia o título Hammerwatch? Por sua vez, quem é que tinha conhecimento deste lançamento? Bem, eu cá não conhecia nenhum dos dois, por isso foi uma surpresa quando tive o primeiro contacto. Este é um jogo independente, com um aspeto gráfico ao estilo dos RPG’s clássicos e com uns controlos que me fazem recordar alguns jogos da NES que tanto me viciei durante a infância. A equipa de desenvolvimento é a Crackshell que desenvolveu o seu primeiro jogo em 2013, sendo este o Hammerwatch, trabalhando depois com a Devolver Digital no jogo único Serious Sams Bogus DEtour, da famosa saga, levando ao lançamento deste Heroes of Hammerwatch, que retorna ao mundo do seu primeiro jogo.

Este novo jogo, lançado agora na Nintendo Switch e na Xbox One, com uma versão para a PlayStation 4 a caminho, apresenta-nos o mesmo estilo do jogo original. Uma visão de jogo baseada nos RPG’s clássicos, com uma câmara demasiado afastada para o meu gosto. Tornou-se até difícil de perceber algumas coisas enquanto jogava no ecrã da Nintendo Switch. Com os pequenos sprites fica muito mais agradável jogar numa televisão grande. Apesar de tudo, a qualidade gráfica está no ponto e o estilo pixelart é limpo e agradável. Um dos pontos que destacam realmente o aspeto gráfico é os focos de luz, onde os detalhes nos ataques tornam todo o jogo ainda mais bonito.

Este jogo leva-nos a viajar por várias masmorras, de forma a conseguir recursos para ficarmos mais fortes e, ao mesmo tempo, recuperar a vila de Outlook. As masmorras são geradas de forma aleatória, por isso sempre que vão para uma missão e o vosso personagem acaba por morrer, voltando a começar, essa masmorra vai ser totalmente diferente na esquemática do espaço. São variados níveis, com muitos inimigos para nos infernizar a vida e muito conteúdo para explorar e conseguir. A exploração está muito presente e mesmo com alguma linearidade, consegue ser aberto o suficiente para nos fazer gastar um bom tempo em cada nível.

O desenvolvimento dos personagens é semelhante ao conhecido em RPG’s de ação e tal como o resto do jogo, o conteúdo não falta para evoluir e para atacar os inimigos. A forma de controlo é provavelmente o mais estranho para mim, com a utilização dos dois analógicos, um para movimentar o personagem e outro para movimentar a mira dos ataques. Com alguma coordenação acabamos por nos habituar e torna-se cada vez mais fácil de explorar o ambiente e dar cabo de todos os inimigos. Quando há muito disse que os inimigos nos infernizam a vida era mesmo literalmente, pois logo à partida as coisas podem-se tornar ligeiramente frustrantes.

Assim que começamos e após conhecer um pouco da vila onde o nosso herói se encontra, partimos para a aventura e começamos a exploração de masmorras. No início, quando o nosso personagem ainda está com os seus níveis no mínimo e as suas armas mais simples, esperava-se que as coisas começassem num nível que nos deixasse ambientar, mas vai mais longe e torna-se quase ingrato começar. O maior problema é que este nível de frustração pode-se manter ao longo de todo o jogo. A cada masmorra que perdemos, mantemos algumas coisas que por lá encontramos, mas também perdemos algumas, incluindo parte do XP conseguido. Aconteceu-me por várias vezes já estar bem avançado num local e ter de recomeçar só com dois choques com o inimigo — no início principalmente.

Heroes of Hammerwatch é um belo título para se ir jogando, um pouco ao estilo do Minecraft Dungeons, que analisámos na altura do seu lançamento. Também é um excelente título para se juntarem com mais três amigos e derrubarem os inimigos mais incríveis, todos feitos em pequenos pixeis. Independentemente das questões que já referi que podem ser um problema para algumas pessoas, o jogo é divertido e competente naquilo que pretende ser. Está bem feito e apesar de não me agradar muito os minúsculos artefactos, é uma escolha estética perfeitamente viável e que agradará por aí a muito pessoal. Para quem nunca ouviu falar deste jogo, experimentem, mas dêem primazia a jogar com amigos, pois será certamente muito mais interessante.

Esta análise foi possível com o apoio da BLITWORKS!
Capa
7.5
Heroes of Hammerwatch
Data de Lançamento 30 de julho de 2020
Editado por Distribuido por
Lançado em
  • Ação rápida e divertida, principalmente com amigos.
  • Controlo do personagem e das ações bem simples e rápidas de compreender.
  • Estilo gráfico clássico e que funciona muito bem no estilo de jogo.
  • Personagens e ambiente muito afastados no ecrã, tornando tudo bem pequeno. Algo que será problemático, principalmente quando jogamos em modo portátil na Nintendo Switch.
  • O nível de desafio por vezes pode-se tornar frustrante, principalmente quando começamos.
Eduardo Rodrigues
Escrito por: Eduardo Rodrigues

Considero-me um geek da cabeça aos pés. Adoro uma boa leitura, apreciar a arte da BD e da Manga, ver de uma assentada aquela série ou anime incrível, ir ao cinema e devorar um filme e deliciar-me com uma aventura interativa nos videojogos e nos jogos de tabuleiro. Sou um adepto da mágica Briosa e um assistente fervoroso no estádio.